sábado, 29 de abril de 2017

ENCONTRO DE LIDERANÇA JOVEM DAS PARÓQUIAS AGOSTINIANAS RECOLETAS


PAPA CONCLUI VIAGEM INTERNACIONAL AO EGITO

Cairo (RV) - O Papa Francisco concluiu, na tarde deste sábado (29/04), sua 18ª viagem apostólica internacional que desta vez o levou ao Egito. 

Após a cerimônia de despedida no Aeroporto Internacional do Cairo, o avião da Alitalia que traz o Pontífice de volta a Roma decolou às 17h locais (meio-dia no horário de Brasília). 

A chegada do Papa a Roma está prevista para às 20h30 locais (15h30 de Brasília) ao aeroporto romano de Ciampino.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

REFLEXÃO PARA O 3º DOMINGO DA PÁSCOA - DISCÍPULOS DE EMAÚS: "FICA CONOSCO, SENHOR!"

Cidade do Vaticano (RV) - «Jesus, o Mestre por excelência, passa três anos preparando os apóstolos e discípulos para os acontecimentos de sua Paixão. Fala de seus sentimentos, de sua morte e de sua Ressurreição.

Quando tudo isso acontece, o peso do sofrimento e da morte é tão grande que todos se esquecem do que Jesus os advertira em relação à Ressurreição. Todos ficam desapontados, tristes e reagindo como se a morte fosse a última palavra na vida de Jesus.
O Evangelho nos relata a repercussão desses fatos na vida de dois deles, os chamados discípulos de Emaús, Cléofas e seu companheiro.

Eles estão voltando para casa. O Mestre, aquele em que colocavam toda a esperança, está morto. Pelo caminho eles andam de modo acabrunhado. Contudo, Jesus, o Consolador, se dirige a eles com o propósito de acabar com essa tristeza. Jesus usa uma tática de não se revelar logo, mas de ir fazendo perguntas, recordando o que estava nas Escrituras a respeito d’Ele, de tal modo que a esperança fosse recuperada.

Ao passar pela entrada de Emaús, Jesus se despede. Eles ficam desapontados com tal atitude. Aquele caminheiro que, com sua conversa, estava resgatando a esperança, vai embora e vai deixá-los sozinhos. Não, não pode ser. Eles pedem ao desconhecido que entre com eles no povoado, depois em sua casa e ceiem juntos.

Podemos ver nesse gesto de Jesus, ao deixar espaço para ser convidado, que o Senhor não se impõe a nós. Ele vem até nós e nos consola, mas não impõe sua presença permanente. Ele quer nossa solicitação, Ele se oferece como hóspede – Eis que estou à porta e bato - , ele espera um ato livre de nossa vontade.

Ao ser convidado, Jesus aceita e vai cear com eles.

Na hora da bênção do pão, Jesus se revela e, como no Tabor, aparece sua glória de Filho amado pelo Pai. Jesus se revela e desaparece.

Não é mais necessária sua presença após a manifestação de sua glória, após a experiência e anunciar a ressurreição. 

Assim somos nós. Nos momentos difíceis da vida recordamos as palavras do Senhor?

Damos espaço para que Ele nos fale? Recorremos  às Escrituras, ao Evangelho e meditamos suas palavras?

A experiência que temos de Deus, a compartilhamos com os demais?»

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o III Domingo da Páscoa)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

sexta-feira, 28 de abril de 2017

PROJETO 1º DE MAIO


PAPA EM VIAGEM AO EGITO

Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco deixou o Vaticano na manhã desta sexta-feira (28/04) e, do aeroporto romano de Fiumicino, partiu para a cidade do Cairo "como peregrino da paz ao Egito da paz", segundo afirma no Twitter.

Ao sair do Vaticano, encontrou para uma breve saudação 9 migrantes egípcios, acompanhados pelo Esmoleiro de Sua Santidade, o Arcebispo polonês Konrad Krajevskj. Ainda na noite de quinta-feira dirigiu-se à Basílica Santa Maria Maior, centro de Roma, onde confiou sua viagem a "Salus Popoli Romani".

Depois de 3’15’’ de voo, durante o qual saúda brevemente os jornalistas e a delegação, o Pontífice chegará ao destino, começando assim a sua 18ª viagem apostólica fora da Itália. Em uma estadia de apenas 27 horas, Francisco, segundo Papa a ir ao Egito 17 anos depois da visita de João Paulo II, deve fazer cinco discursos.

Direto do aeroporto, em carro fechado, o Papa se dirige ao Palácio Presidencial em Heliópolis, bairro na zona nordeste da capital construído numa área aonde até o início do século XX havia um deserto. Fora do Palácio, está prevista uma cerimônia com piquetes de honra e a execução dos hinos do Egito e da Santa Sé. O Presidente da República Abdel-Fattah Al-sisi, 63, eleito em 2014, recebe o Pontífice e o acompanha à Sala de Honra para um rápido encontro e troca de presentes. Não há discursos públicos.

Na sequência, ainda em carro fechado, o Papa e sua comitiva se dirigem ao Complexo de Al-Azhar. É a chamada “Esplêndida”, a mais conceituada instituição teológica e de instrução religiosa do Islã sunita no mundo e a mais antiga universidade islâmica, tendo sido construída em 969. Desde a década de ’60, o ateneu também oferece cursos não religiosos, como pedagogia, letras, ciências, medicina, economia, engenharia, etc. As mulheres têm acesso aos estudos, mas em sedes separadas. Hoje, quase 300 mil alunos de todos os países islâmicos estão matriculados na Universidade, que possui um próprio canal Youtube, denominado “Al-Azhar TV”.

Antes de participar da Conferência Internacional sobre a Paz, em andamento no Complexo, Francisco faz uma visita de cortesia ao Reitor da Universidade, que é também o Grão-Imame da Mesquita anexa, Shaykh Ahmad Al-Tayeb. É o segundo encontro entre os dois, depois da visita do Imame ao Vaticano, em 2016.

Em seguida, o programa prevê uma reunião com representantes do governo egípcio e um encontro com Tawadros II de Alexandria (papa da Igreja Copta Ortodoxa) na sede do Patriarcado. O bairro cristão do Cairo foi alvo de um grave atentado terrorista em dezembro de 2016, quando uma bomba explodiu na capela de São Pedro, a pouca distância do escritório de Tawadros II, e deixou 29 mortos. Ali, Francisco, o Patriarca e outros líderes de confissões cristãs farão uma oração ecumênica pelas vítimas daquele e dos recentes atentados contra cristãos no Egito.

O primeiro dia da viagem se encerra às 18h40, horário local, com a chegada do Pontífice à Nunciatura, onde será acolhido por um grupo de crianças da Escola Comboniana do Cairo.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quinta-feira, 27 de abril de 2017

ENCONTRO DOS CÍRCULOS BÍBLICOS DO REGIONAL II

O Regional II Diocesano, através da sua secretaria, informa que no dia 29 de abril, sábado, das 14h às 17h30, acontecerá o Encontro de Círculos Bíblicos do Regional II.

O encontro acontecerá na Catedral de São Pedro, tendo como participantes as coordenações paroquiais, animadores, grupos de círculos bíblicos das paroquias de Cachoeiro de Itapemirim e os membros de círculos bíblicos que queiram participar do encontro.

O Regional II Diocesano pede a todos que forem participar para levarem as folhas da pesquisa que foi publicada no Refletindo 215 (referente ao mês de fevereiro deste ano), Bíblia, caderno para anotação, animação e muita fé.

Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim

quarta-feira, 26 de abril de 2017

26 DE ABRIL: NOSSA SENHORA DO BOM CONSELHO

Em 1903, Leão XIII incluiu a invocação da «Mãe do Bom Conselho» na ladainha Lauretana. O culto à virgem com o titulo de Mãe do Bom Conselho, difundido hoje pelo mundo inteiro, tem sua origem na cidade de Genazzano, situada às portas de Roma, onde tem um célebre Santuário. No dia 25 de abril de 1467 um afresco que representava a Virgem com o menino que abraçava a Mãe, «apareceu de modo admirável» em uma parede da Igreja agostiniana que se encontrava em restauração. Imediatamente a Igreja se converteu em meta de peregrinações e a imagem estática da Virgem do Bom Conselho se difundiu pelo mundo inteiro.

Com razão honramos à Maria com o titulo de Bom Conselho, já que ela é Mãe de Cristo, «O conselheiro admirável» (Is 9, 5), viveu sob a guia do Espírito de conselho e acolheu intimamente o eterno Conselho de recapitular todas as coisas em Cristo ( cf. Ef 1, 10).

Ao honrar à Virgem do Bom Conselho queremos implorar a Deus o dom do conselho, «para que nos faça conhecer o que agrada ao Senhor, e nos guie nas peripécias da vida».

Fonte: Site Oficial da Ordem dos Agostinianos Recoletos

segunda-feira, 24 de abril de 2017

24 DE ABRIL: CONVERSÃO DE NOSSO PAI SANTO AGOSTINHO

«Tarde de amei, beleza sempre antiga e sempre nova, tarde te amei» ( Conf. 10, 27, 38). Com este grito de seu coração expressa Santo Agostinho seu pesar por ter gastado tantos anos de sua vida com coisas vãs. A conversão foi para ele a chegada ao porto depois de um laborioso e longo navegar pelo oceano da dúvida, da incerteza e da incoerência. Com a conversão se encontra a si mesmo e ao mesmo tempo encontra a alegria de viver, experimenta o amor no abraço misericordioso do Pai e começa a ver a Igreja como mãe de salvação e modelo de vida.

Durante a vigília pascal do ano 387, na noite do dia 24 para 25 de abril, Agostinho e seus amigos foram batizados em Milão por Santo Ambrósio, bispo da cidade: «Fomos batizados e se desvaneceu de nós toda iniquidade pela vida passada» (Conf. 9, 6, 14).

A festa da conversão de Santo Agostinho celebra-se na Ordem Agostiniana praticamente desde o ano 1341, no dia 5 de maio, que decidiu eleger o dia anterior para celebrar a festa de Santa Mônica.

Desde 14 de junho de 1928 celebra-se a conversão no dia 24 de abril.

Fonte: Site Oficial da Ordem dos Agostinianos Recoletos

domingo, 23 de abril de 2017

sábado, 22 de abril de 2017

HORÁRIOS DE MISSAS PARA O 2º DOMINGO DA PÁSCOA

Os horários das Missas para o 2º Domingo da Páscoa - Domingo da Divina Misericórdia - neste final de semana, dias 22 e 23 de abril de 2017, na Igreja/Matriz de Nossa Senhora da Consolação são:

SÁBADO - 22 de abril de 2017

6h30 e às 19h

DOMINGO - 23 de abril de 2017

6h30, 17h e às 19h

REFLEXÃO PARA O 2º DOMINGO DA PÁSCOA - DOMINGO DA DIVINA MISERICÓRDIA: "CORAÇÃO DE JESUS, EU CONFIO EM VÓS"

Cidade do Vaticano (RV) - «A primeira leitura deste domingo nos relata a vida dos primeiros cristãos. Ela está estruturada sobre quatro colunas: o ensinamento dos apóstolos, a partilha dos bens, a partilha do pão ou Eucaristia e as orações em comum.

O ensinamento dos apóstolos ou catequese provocava nos discípulos uma mudança de vida. A fé na palavra de Deus, revelada por e em Jesus Cristo, agora era explicada pelos apóstolos, e os cristãos deixavam de ser simples cidadãos, para com suas vidas, testemunharem Jesus Cristo. Esse testemunho veremos concretamente nas outras três colunas.

Se acreditavam em Jesus Cristo, elas criam que Deus era Pai de todos e isso os levava a um sentimento de radical fraternidade, daí a partilha de bens, a renúncia à propriedade particular, onde tudo é, livremente, colocado em comum e distribuído de acordo com as necessidades pessoais. Com isso não existe mais pobres.

A partilha do pão celebrava a memória de Jesus que partilhou sua vida. Assim, se reuniram para realizar o gesto e o mandamento de Jesus: “Fazei isso em minha memória de mim”.
O Senhor estava presente no meio deles de modo eucarístico e era partilhado como alimento, como sustento para o dia a dia.


Finalmente a Comunidade também se reunia para louvar o Senhor e, certamente, rezar o Pai-Nosso.
O autor dos Atos nos fala ainda que esse estilo de vida simples, fraterno e temente a Deus, suscitava a adesão de outras pessoas a fazerem parte do grupo dos amigos de Jesus.


Peçamos ao Senhor que nossa vida de batizados, de homens e mulheres que crêem em Jesus, seja fiel à nossa profissão de fé.

Para isso vale que cada noite nossa consciência diante do Senhor nos diga até onde vivemos nossa fé, se fomos capazes de partilhar nossos bens, nosso tempo, nossa atenção, nossa capacidade de ajudar o outro.

A partilha do pão eucarístico da vida que é Jesus deverá refletir o meu dia, meu ato de partilhar os bens que geram vida, com aquele irmão ou irmã, aquele próximo que é carente deles. Feliz Páscoa!»

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o II Domingo da Páscoa)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quarta-feira, 19 de abril de 2017

NOTA DE FALECIMENTO

A Diocese de Cachoeiro de Itapemirim comunica, com muito pesar, que esta manhã o Diácono Eraldo Moreira Matielo veio a falecer.

Diácono Eraldo atualmente integrava a Paróquia Nosso Senhor dos Passos (Matriz Velha), em Cachoeiro de Itapemirim. Infelizmente, segundo as informações da paróquia, ele sofreu um infarto e não resistiu.

Ainda não há maiores informações, devido ao ocorrido ser muito recente. Pedimos que todos mantenham suas orações centradas aos amigos e familiares do nosso Diácono, em especial para sua esposa e filhos.

Ao longo do dia, assim que tivermos informações sobre velório e sepultamento do Diácono Eraldo Matielo, comunicaremos a todos.
Atualizado às 10h13:

Os familiares nos informaram que o Diácono Eraldo Matielo será velado na Igreja Nossa Senhora de Fátima, no bairro Independência, em Cachoeiro de Itapemirim.

Às 16 horas de hoje, 19/04, haverá uma celebração de despedida e homenagem, onde em seguida, às 17 horas, acontecerá o seu sepultamento no Cemitério Santa Rosa.


Que Deus conforte a todos...

Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim

domingo, 16 de abril de 2017

BÊNÇÃO URBI ET ORBI: O PASTOR RESSUSCITADO ESTÁ PRÓXIMO DOS SOFREDORES

Cidade do Vaticano (RV) – Após presidir a celebração da Ressurreição do Senhor na Praça São Pedro, o Papa Francisco dirigiu-se à sacada central da Basílica São Pedro para a tradicional Mensagem e Bênção Urbi et Orbi. Eis a mensagem na íntegra:

“Queridos irmãos e irmãs,

Feliz Páscoa!

Hoje, em todo o mundo, a Igreja renova o anúncio maravilhoso dos primeiros discípulos: «Jesus ressuscitou!» - «Ressuscitou verdadeiramente, como havia predito!»

A antiga festa de Páscoa, memorial da libertação do povo hebreu da escravidão, alcança aqui o seu cumprimento: Jesus Cristo, com a sua ressurreição, libertou-nos da escravidão do pecado e da morte e abriu-nos a passagem para a vida eterna.

Todos nós, quando nos deixamos dominar pelo pecado, perdemos o caminho certo e vagamos como ovelhas perdidas. Mas o próprio Deus, o nosso Pastor, veio procurar-nos e, para nos salvar, abaixou-Se até à humilhação da cruz. E hoje podemos proclamar: «Ressuscitou o bom Pastor, que deu a vida pelas suas ovelhas e Se entregou à morte pelo seu rebanho. Aleluia!» (Missal Romano, IV Domingo de Páscoa, Antífona da Comunhão).

Através dos tempos, o Pastor ressuscitado não Se cansa de nos procurar, a nós seus irmãos extraviados nos desertos do mundo. E, com os sinais da Paixão – as feridas do seu amor misericordioso –, atrai-nos ao seu caminho, o caminho da vida. Também hoje Ele toma sobre os seus ombros muitos dos nossos irmãos e irmãs oprimidos pelo mal nas suas mais variadas formas.

O Pastor ressuscitado vai à procura de quem se extraviou nos labirintos da solidão e da marginalização; vai ao seu encontro através de irmãos e irmãs que sabem aproximar-se com respeito e ternura e fazer sentir àquelas pessoas a voz d’Ele, uma voz nunca esquecida, que as chama à amizade com Deus.

Cuida de quantos são vítimas de escravidões antigas e novas: trabalhos desumanos, tráficos ilícitos, exploração e discriminação, dependências graves. Cuida das crianças e adolescentes que se veem privados da sua vida despreocupada para ser explorados; e de quem tem o coração ferido pelas violências que sofre dentro das paredes da própria casa.

O Pastor ressuscitado faz-Se companheiro de viagem das pessoas que são forçadas a deixar a sua terra por causa de conflitos armados, ataques terroristas, carestias, regimes opressores. A estes migrantes forçados, Ele faz encontrar, sob cada ângulo do céu, irmãos que compartilham o pão e a esperança no caminho comum.

Nas vicissitudes complexas e por vezes dramáticas dos povos, que o Senhor ressuscitado guie os passos de quem procura a justiça e a paz; e dê aos responsáveis das nações a coragem de evitar a propagação dos conflitos e deter o tráfico das armas.

Concretamente nos tempos que correm, sustente os esforços de quantos trabalham ativamente para levar alívio e conforto à população civil na Síria, vítima duma guerra que não cessa de semear horrores e morte. Conceda paz a todo o Médio Oriente, a começar pela Terra Santa, bem como ao Iraque e ao Iémen.

Não falte a proximidade do Bom Pastor às populações do Sudão do Sul, do Sudão, da Somália e da República Democrática do Congo, que sofrem o perdurar de conflitos, agravados pela gravíssima carestia que está a afetar algumas regiões da África.

Jesus ressuscitado sustente os esforços de quantos estão empenhados, especialmente na América Latina, em garantir o bem comum das várias nações, por vezes marcadas por tensões políticas e sociais que, nalguns casos, desembocaram em violência. Que seja possível construir pontes de diálogo, perseverando na luta contra o flagelo da corrupção e na busca de soluções pacíficas viáveis para as controvérsias, para o progresso e a consolidação das instituições democráticas, no pleno respeito pelo estado de direito.

Que o Bom Pastor ajude ucraniana, atormentada ainda por um conflito sangrento, a reencontrar a concórdia, e acompanhe as iniciativas tendentes a aliviar os dramas de quantos sofrem as suas consequências.

O Senhor ressuscitado, que não cessa de cumular o continente europeu com a sua bênção, dê esperança a quantos atravessam momentos de crise e dificuldade, nomeadamente por causa da grande falta de emprego, sobretudo para os jovens.

Queridos irmãos e irmãs, este ano, nós, os crentes de todas as denominações cristãos, celebramos juntos a Páscoa. Assim ressoa, a uma só voz, em todas as partes da terra, o mais belo anúncio: «O Senhor ressuscitou verdadeiramente, como havia predito!» Ele, que venceu as trevas do pecado e da morte, conceda paz aos nossos dias. Feliz Páscoa!”

Ao final de sua mensagem, o Santo Padre concedeu a todos a sua Bênção Apostólica, pedindo "não esqueçam de rezar por mim".  Feliz Páscoa!

Fonte: Site da Rádio Vaticano

HORÁRIOS DE MISSAS PARA O DOMINGO DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR

Esses são os horários para as missas na igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação, neste dia, 16 de abril de 2017 - Domingo da Ressurreição:

9h - 17h e 19h

FELIZ E SANTA PÁSCOA PARA VOCÊ E SUA FAMÍLIA!

sábado, 15 de abril de 2017

SÁBADO SANTO - VIGÍLIA PASCAL

"A MÃE DE TODAS AS VIGÍLIAS", conforme Santo Agostinho

19h - Início da Vigília Pascal na igreja Nossa Senhora das Graças (ao lado do Brasão), com a bênção do fogo novo, seguida de procissão até a igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação para continuidade da vigília.

Pede-se a todos que levem velas para essa celebração.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

JESUS CRISTO DESCEU À MANSÃO DOS MORTOS,  AO TERCEIRO DIA RESSUSCITOU DOS MORTOS

«Um grande silêncio reina hoje sobre a terra; um grande silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o rei dorme. A terra estremeceu e ficou silenciosa, porque Deus adormeceu segundo a carne e despertou os que dormiam há séculos [...]. Vai à procura de Adão, nosso primeiro pai, a ovelha perdida. Quer visitar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte. Vai libertar Adão do cativeiro da morte. Ele que é ao mesmo tempo seu Deus e seu filho [...] "Eu sou o teu Deus, que por ti me fiz teu filho [...] Desperta tu que dormes, porque Eu não te criei para que permaneças cativo no reino dos mortos: levanta-te de entre os mortos; Eu sou a vida dos mortos"»

Fonte: Antiga homilia para Sábado Santo: PG 43. 440.452.461 [Sábado Santo, 2ª Leitura do Ofício de Leituras: Liturgia das Horas, s. 2 (Gráfica de Coimbra 1983) p. 454-4551.

HORÁRIO DA CELEBRAÇÃO DA PAIXÃO E MORTE DO SENHOR

15h - Na igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação a ação litúrgica da Paixão e Morte do Senhor.

Essa celebração tem quatro pontos principais: liturgia da Palavra, oração universal, adoração do lenho da Cruz e a comunhão.

NESTE DIA A IGREJA NÃO CELEBRA NENHUM SACRAMENTO, PORTANTO NÃO HÁ MISSA.

É DIA DE JEJUM E ABSTINÊNCIA DE CARNE.

Os demais setores da Paróquia Nossa Senhora da Consolação celebram neste dia às 15h

JESUS ERGUENDO-SE DA CEIA JARRO E BACIA TOMOU...

Na noite da quinta-feira santa, neste ano, no dia 13 de abril, às 19h, na igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação, sob a presidência do pároco Frei Silvestre Brunoro, O.A.R. e concelebrada pelo vigário paroquial Frei João Constantino Junqueira Netto, O.A.R. foi celebrada a Missa da Ceia do Senhor (ou Instituição da Eucaristia) com o rito do lava-pés e transladação do Santíssimo Sacramento.

Conforme decisão do C.P.P. (Conselho Pastoral Paroquial), neste ano, a Paróquia Nossa Senhora da Consolação celebra nos seus quatros setores, a saber:

Setor 1 (Comunidades Jesus de Nazaré, Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora de Fátima) sendo as celebrações presididas por Frei Ademir João Garcia, O.A.R.;

Setor 2 (Comunidades Santo Agostinho, Santa Luzia, Santa Rita de Cássia e Imaculado Coração de Maria) sendo as celebrações presididas por Frei Gustavo Barbiero Melo, O.A.R.;

Setor 3 (Comunidades Santo Antônio, Santa Mônica, Nossa Senhora das Graças e Sagrada Família) sendo as celebrações presididas por Frei Silvestre Brunoro, O.A.R.

Setor 4 (Comunidades Sagrado Coração de Jesus e São Domingos Sávio) sendo as celebrações presididas por Frei Enéas Berilli, O.A.R. 

Agradecemos penhoradamente a Maria Alzira da Comunidade Santa Mônica pelo registro fotográfico, assim também a Rita de Cássia Germano Guio pelo apoio litúrgico e registro fotográfico, para quem vão os créditos das fotos.





quinta-feira, 13 de abril de 2017

HORÁRIOS DAS CELEBRAÇÕES PARA A QUINTA-FEIRA SANTA (13/4/2017)

9h - Missa Crismal na Igreja/Catedral de São Pedro, presidida por Dom Frei Dario Campos, O.F.M. e concelebrada por todos os padres da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim.

19h - Missa da Ceia do Senhor na Igreja/Matriz de Nossa Senhora da Consolação, presidida por Frei Silvestre Brunoro, O.A.R., logo após, adoração ao Santíssimo Sacramento conduzida pelos Ministros Extraordinários da Distribuição da Eucaristia.

OBS: Lembramos a todos que os demais setores da Paróquia Nossa Senhora da Consolação também haverá a Celebração da Missa da Ceia do Senhor, procure em sua comunidade o horário dessa celebração.

domingo, 9 de abril de 2017

COMUNIDADES DO SETOR 3 DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO CELEBRAM DOMINGO DE RAMOS

Na manhã deste domingo, 9 de abril de 2017, as comunidades que compõem o setor 3 da Paróquia Nossa Senhora da Consolação reuniram-se para iniciar a grande semana para os cristãos. Iniciamos a caminhada junto a Jesus Cristo a sua Páscoa. A Celebração Eucarística foi presidida pelo pároco Frei Silvestre Brunoro, O.A.R., agradecemos a Sandra Dezan pelo registro das fotos.





DOMINGO DE RAMOS: PAPA, JESUS ESTÁ PRESENTE NOS QUE PADECEM TRIBULAÇÕES COMO ELE

Cidade do Vaticano (RV) - Inicia-se neste Domingo de Ramos (09/04) a Semana Santa.
O Papa Francisco presidiu a missa deste domingo, na Praça São Pedro, que contou com a participação de vários fiéis e peregrinos, cerca de quarenta mil pessoas.

“Esta celebração tem, por assim dizer, duplo sabor: doce e amargo. É jubilosa e dolorosa, pois nela celebramos o Senhor que entra em Jerusalém, aclamado pelos seus discípulos como rei; ao mesmo tempo, porém, proclama-se solenemente a narração evangélica de sua Paixão. Por isso, o nosso coração experimenta o contraste pungente e prova, embora numa medida mínima, aquilo que deve ter sentido Jesus em seu coração naquele dia, quando rejubilou com os seus amigos e chorou sobre Jerusalém”, disse o Pontífice.

“Há trinta e dois anos a dimensão jubilosa deste domingo tem sido enriquecida com a festa dos jovens: a Jornada Mundial da Juventude, que, este ano, se celebra no âmbito diocesano, mas daqui a pouco viverá, nesta Praça, um momento sempre emocionante, de horizontes abertos, com a passagem da Cruz dos jovens de Cracóvia para os do Panamá.”

“O Evangelho, proclamado antes da procissão, apresenta Jesus que desce do Monte das Oliveiras montado num jumentinho, sobre o qual ainda ninguém se sentara; evidencia o entusiasmo dos discípulos, que acompanham o Mestre com aclamações festivas; e pode-se, provavelmente, imaginar que isso contagiou os adolescentes e os jovens da cidade, que se juntaram ao cortejo com os seus gritos. O próprio Jesus reconhece neste jubiloso acolhimento uma força irreprimível querida por Deus, respondendo assim aos fariseus escandalizados: «Eu vos digo, se eles se calarem, as pedras gritarão».”

“Mas este Jesus, cuja entrada na Cidade Santa estava prevista precisamente assim nas Escrituras, não é um iludido que apregoa ilusões, um profeta «new age», um vendedor de fumaça. Longe disso! É um Messias bem definido, com a fisionomia concreta do servo, o servo de Deus e do homem que caminha para a paixão; é o grande Padecente da dor humana”, frisou o Papa.

“Assim, enquanto festejamos o nosso Rei, pensemos nos sofrimentos que Ele deverá padecer nesta Semana. Pensemos nas calúnias, nos ultrajes, nas ciladas, nas traições, no abandono, no julgamento iníquo, nas pancadas, na flagelação, na coroa de espinhos... e, por fim, no caminho da cruz até à crucificação.”

“Ele tinha dito claramente aos seus discípulos: «Se alguém quer vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga». Nunca prometeu honras nem sucessos. Os Evangelhos são claros. Sempre avisou os seus amigos de que a sua estrada era aquela: a vitória final passaria através da paixão e da cruz. E, para nós, vale o mesmo. Para seguir fielmente a Jesus, peçamos a graça de o fazer não por palavras mas com as obras, e ter a paciência de suportar a nossa cruz: não a recusar nem jogar fora, mas, com os olhos fixos n’Ele, aceitá-la e carregá-la a cada dia.”

“Este Jesus, que aceita ser aclamado, mesmo sabendo que O espera o «crucifica-o!», não nos pede para O contemplarmos apenas nos quadros, nas fotografias, ou nos vídeos que circulam na rede. Não. Está presente em muitos dos nossos irmãos e irmãs que hoje, sim hoje, padecem tribulações como Ele: sofrem com o trabalho de escravos, sofrem com os dramas familiares, as doenças... Sofrem por causa das guerras e do terrorismo, por causa dos interesses que se movem por trás das armas que não cessam de matar. Homens e mulheres enganados, violados na sua dignidade, descartados.... Jesus está neles, em cada um deles, e com aquele rosto desfigurado, com aquela voz rouca, pede para ser enxergado, reconhecido, amado.”

“Não há outro Jesus: é o mesmo que entrou em Jerusalém por entre o acenar de ramos de palmeira e oliveira. É o mesmo que foi pregado na cruz e morreu entre dois ladrões. Não temos outro Senhor para além d’Ele: Jesus, humilde Rei de justiça, misericórdia e paz.”

Fonte: Site da Rádio Vaticano

sábado, 8 de abril de 2017

REFLEXÃO PARA O DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR - ENTRADA DE JESUS EM JERUSALÉM: MISSÃO DE PAZ!

Cidade do Vaticano (RV) - «O Senhor é aclamado como se faz a um general romano ou a um herói egípcio quando de sua chegada a sua cidade, à sua terra, após uma gloriosa vitória.

Apenas algumas diferenças: o Senhor ainda vai consumar sua luta e, enquanto os vencedores trazem consigo o espólio dos vencidos e os próprios vencidos como troféus,  será o Senhor o próprio espólio, o grande serviçal, o escravo de todos nós.

Esse gesto nos recorda um trecho da segunda leitura de hoje, da Carta de São Paulo aos Filipenses, que diz: “Não deveis fazer nada por egoísmo, ou para sentir-vos superiores aos outros, mas cada um de vós, com toda a humildade, considere os outros superiores a si mesmo, ninguém procure o próprio interesse, mas antes o dos outros.” O Senhor buscou apenas o nosso interesse, ou melhor, o interesse do Senhor é a nossa salvação.

Jesus entra em Jerusalém, montado em um jumentinho. Isso significa que entra na cidade que é sua para fazer com toda a Humanidade, uma missão de paz, ainda que essa paz tenha como preço sua própria vida.

Cristo entra em Jerusalém para entregar-se como oferta ao Pai, em nome de cada um de nós. Ele se coloca em nosso lugar e sofre as consequências que nosso egoísmo, nossa falta de amor e de perdão ocasionaram. Ele é o verdadeiro cordeiro pascal, a verdadeira vítima. Seu corpo é o pão e seu sangue é o vinho. Somos redimidos, para sempre, por seu sangue derramado de fato, Jesus Cristo é o cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo.

Outro ensinamento, agora colhido da leitura da Paixão, este ano, a de São Mateus, é sobre a retaliação e a paz . Jesus impede que Pedro continue sua ação de punir o soldado que o ofendera e diz a ele: “Guarde a espada na bainha!” e cura Malcolm. Somos filhos da paz! Nosso Rei é o Príncipe da Paz, o Pacificador.

Que este início da Semana Santa nos comprometa com o projeto de Jesus para nós. Sejamos irmãos, sejamos filhos do mesmo Pai de nosso Senhor.

Que a humildade e a paz sejam nossos tesouros, recebidos através do sacrifício redentor do Filho de Deus!

Nossa libertação do egoísmo e da ira, da raiva, custou o sangue inocente de Jesus.

Valorizemos, com gratidão e amor, o sacrifício do Senhor por nós».

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o Domingo de Ramos)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

HORÁRIOS DAS MISSAS NA IGREJA/MATRIZ PARA O DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR

Sábado (8 de abril de 2017)

6h30min e às 19h (não haverá bênção dos ramos)

Domingo (9 de abril de 2017)

6h30min (não haverá bênção dos ramos nessa celebração)

8h (concentração das comunidades nos setores para a bênção dos ramos, conforme programação já publicada neste canal de comunicação, seguida de procissão para continuidade da celebração)

17h (não haverá bênçãos dos ramos nessa celebração)

19h (não haverá bênção dos ramos nessa celebração)

quarta-feira, 5 de abril de 2017

FESTA DA PENHA 2017

A Festa da Penha 2017 se aproxima. A programação começa dia 16 de abril e se estende até o dia 24 do mesmo mês.  Esta será a 446 ª edição da festa, que é considerada a maior festa religiosa do Espírito Santo, e a terceira maior festa mariana do Brasil.

A Diocese de Cachoeiro de Itapemirim estará presente com a sua romaria no dia 22 de abril (sábado). Diáconos, Presbíteros, ministros da Palavra e da Eucaristia. Todos eles se unirão ao nosso Bispo Diocesano Dom Dario Campos e os milhares de fiéis do sul do Espírito Santo rumo ao Convento da Penha. Este ano, o Regional II Diocesano (composto pelas paróquias de Cachoeiro de Itapemirim) é quem está coordenando os preparativos para Celebração Eucarística, com horário previsto para as 15h.


Frei Pedro Palácios

Nossa Senhora da Penha foi proclamada padroeira capixaba pelo papa Urbano VIII, em 23 de março de 1.630. Conta a história que a bula papal foi confirmada apenas em 26 de janeiro de 1.908 com o resultado de um plebiscito realizado em todas as paróquias do Estado. E a aprovação do Vaticano veio apenas em 27 de novembro de 1912.

A Festa da Penha começou com o Frei Pedro Palácios, fundador do Convento da Penha. O frei encomendou uma imagem de Nossa Senhora (que ainda se encontra no Santuário) e convidou as pessoas para fazer a benção. No dia seguinte após a primeira Festa da Penha, em 1.570, ele faleceu.


Encontro com Deus

Ao longo dos nove dias, cerca de 2 milhões de pessoas devem participar da festa, que contará também com a apresentação da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo (Oses). De acordo com o guardião do Convento, Frei Paulo Roberto Pereira, a festa é uma forma dos fiéis manterem um relacionamento com Deus por meio de Maria.

“Quem participa desta devoção, como é a Festa da Penha, vem ao encontro da graça, de Maria, que é o ser humano perfeito que nos leva a Cristo. É uma multidão de pessoas com experiências individuais de encontro com Deus”, destaca o frei.

Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim



CRUZ PEREGRINA DA JMJ SERÁ ENTREGUE AOS JOVENS DO PANAMÁ NO DOMINGO (9/4)

Cidade do Vaticano (RV) – No Domingo de Ramos, no próximo 9 de abril, será celebrada a 32ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em nível diocesano. No Vaticano, 200 pessoas de várias dioceses do Panamá, de países da América Central e do México estarão reunidos para a entrega da Cruz Peregrina e do ícone de Nossa Senhora pelas mãos dos jovens poloneses de Cracóvia.

Como de tradição, a entrega acontece durante a Santa Missa presidida pelo Papa, às 10h, na Praça São Pedro. Em preparação ao domingo, os jovens poloneses e latino-americanos irão participar de um congresso durante a semana com o tema: “De Cracóvia ao Panamá. O Sínodo em Caminho com os jovens”. O evento, organizado pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, começa nesta quarta-feira (5) para analisar os resultados da JMJ da Polônia e para refletir sobre o futuro dos jovens católicos na sociedade atual.

Para o sábado, 8 de abril, está previsto um encontro com o arcebispo do Panamá, José Domingo Ulloa Mendieta, que vai apresentar as principais características da JMJ de 2019, a organização do evento e os aspectos pastorais. A reunião da manhã será concluída com a celebração de uma missa, ao meio-dia. No final da tarde, os participantes se encontrarão na Basílica de Santa Maria Maggiore, em Roma, para a Vigília Mariana.

Durante a noite, tanto os jovens na Itália quanto os jovens no Panamá estarão reunidos em oração, em Vigília pela entrega da Cruz Peregrina e do ícone mariano da JMJ. Da América, às 3 horas da manhã de domingo, 9 de abril, eles estarão acompanhando ao vivo, direto do Vaticano, a entrega dos símbolos da Jornada que serão recebidos por 25 jovens do Panamá, um de cada país da América Central e um do México. (AC)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

sábado, 1 de abril de 2017

FORMAÇÃO LITÚRGICA COM O TEMA: TRÍDUO PASCAL

Na tarde do sábado, 1º de abril de 2017, aconteceu no salão da igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação uma Formação Geral da Dimensão Litúrgica paroquial, com objetivo de explicar o sentido do Tríduo Pascal e preparar bem os setores da Paróquia Nossa Senhora da Consolação que neste ano celebrará a Grande Semana por setores.

Nesse encontro contamos com a presença do nosso pároco Frei Silvestre Brunoro, O.A.R. que nos falou sobre os textos bíblicos do Tríduo Pascal e com convidados especiais vindos da Paróquia Nossa Senhora da Penha, cidade de Castelo (ES): Frei Mário Aparecido, O.A.R. (pároco daquela paróquia) com a equipe de liturgia daquela paróquia.

O salão da igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação esteve repleto de agentes da Pastoral da Liturgia de todas as comunidades que formam a Paróquia Nossa Senhora da Consolação.



REFLEXÃO PARA O 5º DOMINGO DA QUARESMA - "REJEITRAR OS LAÇOS DA MORTE E PROMOVER A CULTURA DA VIDA"

Cidade do Vaticano (RV) - «O tema da liturgia deste domingo é o Senhor como fonte da Vida, como a própria Vida.

Este relato é uma catequese sobre a ressurreição. Faz parte do tradicionalmente chamado Livro dos Sinais, do qual é o sétimo e o último sinal realizado por Jesus, segundo o Evangelho de João.

A primeira leitura fala da revivificação de ossos ressequidos e o evangelho nos apresenta a belíssima cena conhecida como ressurreição de Lázaro. O Senhor mostra seu poder não para intimidar o ser humano, mas para salvá-lo, para trazê-lo à vida e devolver a alegria à sua família.

Se prestarmos bastante atenção nos gestos de Jesus, ele não restringe sua ação aos momentos limites como a morte, mas ele age trazendo a saúde, recuperando pessoas envolvidas com situações de morte, enfim perdoando o pecados. Ele, a Vida, recupera o que estava perdido.

Por isso, supliquemos ao Senhor da Vida que traga harmonia àquele casal que está com dificuldades no relacionamento conjugal, àquele jovem que perde sua vida nas drogas, àquele pai de família que gasta o dinheiro do sustento familiar nos jogos de azar, àquela moça que destrói sua vida através da prostituição.

Apresentemos ao Senhor aquelas mães que pensam em abortar a vida que Deus colaborou para que gerassem, aqueles médicos que desejam aliviar o sofrimento de seus pacientes agindo diretamente contra o dom divino da vida, e tantos outros casos que conhecemos. Só Deus poderá iluminar essas pessoas, mostrando-lhes o verdadeiro sentido da vida e dando-lhes coragem para enfrentar  com fé, esperança e caridade essas situações dificílimas.

O Senhor quer nos libertar de todas essas mortes e também daquela que leva nosso corpo para o cemitério, quer sinalizar que pode muito mais, que pode nos libertar da morte definitiva. Ele disse: “ Quem crê em mim, ainda que morra viverá, e quem vive e crê em mim, não morrerá para sempre.”

A segunda leitura da liturgia de hoje nos apresenta Paulo dizendo que não morremos porque, no batismo, assumimos essa vida dada a nós, por Jesus, em sua cruz e ressurreição. A partir do batismo, da profissão de fé em Jesus, viveremos, mesmo que aparentemente estejamos mortos. Aí não será uma reanimação do corpo ou revivificação como em Lázaro, que voltou à vida e depois morreu de novo, mas ressurreição, ou seja, Jesus nos dá a vida sem fim e plena, sem doenças, sem drogas, sem desavenças.

Ele nos dará aquilo que desejamos: vida saudável, ao lado das pessoas queridas que amamos, ao lado do Pai, de Maria, de todos os santos, e para sempre. Essa vida já pode começar agora, se colocarmos em prática a renúncia à cultura de morte, renúncia feita no batismo e, simultaneamente, colocarmos também em prática a profissão de fé na cultura de vida trazida por Jesus.

Que a graça de Deus nos conduza à opção pela Vida, em todos os momentos de nossa caminhada. Que nossa religiosidade nos leve a colocar em prática a ordem de Jesus: “Desatai-o e deixai-o ir”.

Desatemos os laços de morte que amarram a nós e a nossos irmãos, e caminhemos juntos para a vida, como filhos do mesmo Pai, como destinatários que somos todos nós da salvação trazida por Cristo Jesus, nosso Redentor!

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o V Domingo da Quaresma)

Fonte: Site da Rádio Vaticano