sábado, 30 de abril de 2016

REFLEXÃO PARA O VI DOMINGO DA PÁSCOA - O SACERDOTE PERPETUA A MEMÓRIA DE CRISTO

Cidade do Vaticano (RV) - Jesus gostava de dizer que nunca estava só. Vemo-lo retirar-se para a montanha, só, mas para se juntar a seu Pai. E promete aos discípulos não os deixar órfãos porque lhes enviará o seu Espírito, o Espírito Santo, o Defensor.

Na hora das grandes confidências, pouco tempo antes da sua paixão, Jesus anuncia aos seus discípulos que virá habitar neles com o seu Pai, na condição de permanecerem fiéis à sua palavra.

Parece dizer: «se quereis que venhamos habitar em vós, aceitai morar na fidelidade a toda a mensagem que vos transmiti».

Não somente o Pai e o Filho querem habitar nos discípulos, mas o Espírito Santo também habitará neles para ensinar e fazer recordar-se de tudo o que Jesus lhes disse. Sabemos que há duas formas de morte: a morte física e o esquecimento.

Jesus veio anunciar aos seus discípulos que, após a sua morte, Ele ressuscitará, e o Espírito Santo ajudará os discípulos a não esquecer o que fez e disse: eles farão memória, recordando-se d’Ele, mas, sobretudo, proclamando-O vivo hoje até à sua vinda na glória.

E uma forma de Cristo perpetuar a sua memória e a sua mensagem viva e real entre nós é precisamente através do sacerdócio.

Por isso é sempre oportuno reafirmar a importância, o valor, a necessidade e a beleza do sacerdócio na vida e na missão da Igreja.

O sacerdócio ministerial é o sacerdócio dos bispos e padres (não dos diáconos); o sacerdócio comum dos fiéis é o sacerdócio de todos os batizados. Sacerdote significa: aquele que oferece o sacrifício. E sacrifício significa oferta sagrada. Então, o sacerdote é aquele que oferece a Deus um sacrifício.

Cristo é, a bem dizer, o único verdadeiro sacerdote: sacerdote único e eterno porque Se ofereceu a Si mesmo no altar da cruz. Ele próprio é, ao mesmo tempo, o sacerdote e a oferta.

Chamamos sacerdotes aos padres porque, agindo «na pessoa de Cristo Cabeça», eles oferecem no altar o sacrifício de Cristo na Cruz, atualizado através da Eucaristia. Porém, todo o batizado é, pelo seu baptismo, sacerdote, como Cristo.

Então, sendo sacerdotes, que oferta sagrada é que oferecem a Deus? O cristão oferece a Deus em sacrifício a sua vida. Isto não que dizer que faça da sua vida um sacrifício, sofrimento, mas sim um sacrifício, oferta a Deus, oblação.

Embora os seus sofrimentos também façam parte da sua oferta, pois o batizado consagra ao seu Senhor toda a sua vida, tudo aquilo que é. Ele é consagrado pelo baptismo e pela unção do Espírito Santo para oferecer, mediante todas as obras do cristão, sacrifícios espirituais.

Este «sacerdócio comum» é o de Cristo, único Sacerdote, do qual participam todos os seus membros. E é o selo baptismal os compromete e os torna capazes de: servir a Deus mediante uma participação viva na santa liturgia da Igreja; e de exercer o seu sacerdócio baptismal pelo testemunho duma vida santa e duma caridade eficaz.

Sacerdócio comum e ministerial são duas participações no mesmo sacerdócio de Cristo, Único Sacerdote. Sacerdócio «comum» não quer dizer inferior. Bem pelo contrário, o sacerdócio ministerial (dos bispos/padres) existe por causa do sacerdócio comum (de todos os batizados), e não o contrário.

Na verdade, o sacerdócio comum dos fiéis realiza-se através do desenvolvimento do seu baptismo: vivendo uma vida de fé, esperança e caridade, uma vida segundo o Espírito. Ora, o sacerdócio ministerial proporciona ao batizado os meios de que ele necessita para viver a vida divina que recebeu no baptismo. O sacerdote é um dispensador desses meios, principalmente dos sacramentos. Ninguém tem direito a ser padre: a comunidade é que tem direito a que ele seja padre!

Mas os padres continuam a viver, também, o sacerdócio comum dos fiéis. Antes de serem padres são batizados: «Convosco sou cristão; para vós sou bispo» (Santo Agostinho). (Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o VI Domingo da Páscoa)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quinta-feira, 28 de abril de 2016

ORAÇÃO VOCACIONAL AGOSTINIANA RECOLETA


31 ANOS DO MARTÍRIO DE IRMÃ CLEUSA CAROLINA RODY COELHO


Neste dia 28 de abril a Igreja Católica no Brasil, mais especialmente, a Igreja presente na Prelazia de Lábrea – Amazonas e da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim recordam os 31 anos do martírio de Irmã Cleusa Carolina Rody Coelho, pertencente a Congregação das Missionárias Agostinianas Recoletas (MAR).

Mas quem foi Irmã Cleusa?
Cleusa Carolina Rody Coelho, nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, Estado do Espírito Santo, aos 12 de novembro de 1933, filha de Jair Moreira Coelho e Francisca Rody Coelho. Foi batizada aos 07 de julho de 1935, em Barra do Itapemirim, na Paróquia Nossa Senhora do Amparo.

Ainda na época de preparação para participar da Eucaristia, iniciou seus contados com os Padres Agostinianos Recoletos que trabalhavam na Paróquia de São Pedro, em Cachoeiro de Itapemirim.

Estudou no Colégio João Bley, no Município de Itapemirim, onde realizou o curso primário e depois estudou no Colégio Estadual Muniz Freire – Liceu, em Cachoeiro de Itapemirim, local que recebeu a medalha de ouro por ser a melhor aluna, por dois anos seguidos.

Por ter sido considerada a melhor aluna de toda escola no curso de Magistério, recebeu do Governo do Estado, como prêmio, o direito de exercer o trabalho de Professora na escola que escolhesse, sem necessitar entrar em concurso de ingresso e remoção. Cleusa, nesse exato momento, escolheu deixar tudo e ingressar na vida religiosa.

Cleusa para ingressar na congregação deveria ser crismada, fato ocorrido aos 25 de agosto de 1951, em Cachoeiro de Itapemirim, por D. Frei José Alvarez Mácua, primeiro Bispo Prelado de Lábrea, que estava na cidade em visita aos Irmãos Religiosos da Ordem Agostiniana Recoleta.

No dia 04 de fevereiro de 1952 ingressou na Congregação das Missionárias Agostinianas Recoletas, na primeira casa da congregação localizada na Ilha das Flores, no Estado Rio de Janeiro.

Recebeu o hábito religioso no dia 02 de outubro de 1952 e adotou o nome religioso de Sor Maria Ângelis Coelho de São José. Emitiu seus primeiros votos religiosos em 03 de outubro de 1953.

Esteve em missão nos seguintes locais: Lábrea – Amazonas; Colatina – Espírito Santo; Vitória – Espírito Santo; Manaus – Amazonas.

No dia 28 de abril de 1985, em defesa da terra e da paz indígena, Irmã Cleusa, foi assassinada, às margens do Rio Paciá, na Prelazia de Lábrea – Amazonas.

Portanto, dedicou 32 anos de sua vida missionária ao serviço dos mais empobrecidos: os hansenianos, os presidiários, os cegos, os menores de rua, os índios, etc.

A exumação de seu corpo deu-se no dia 23 de maio de 1991, os restos mortais foram depositados na Igreja Nossa Senhora de Fátima, em Lábrea - Amazonas. Os ossos do seu braço direito, decepado na hora do crime, estão, desde o dia 02 de junho de 1991, depositados na Catedral Metropolitana de Vitória, quando então foi iniciado o processo de sua beatificação, cujo encerramento se deu na Arquidiocese de Vitória, aos 25 de abril de 1993.

O processo, atualmente, encontra-se na Congregação para as Causas dos Santos, no Vaticano.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

PARABÉNS FREI MARCUS VINÍCIUS!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 28 de abril de 2016, recorda o 40º aniversário natalício de Frei Marcus Vinícius Dorrigo Leite, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Marcus Vinícius Dorrigo Leite, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Formador no Seminário Teológico Santa Mônica, na cidade de São Paulo (SP). 

quarta-feira, 27 de abril de 2016

NOMEADOS DOIS NOVOS BISPOS PARA O BRASIL: AUXILIAR PARA SALVADOR (BA) E FRANCISCO BELTRÃO (PR)

Cidade do Vaticano (RV) – A Igreja no Brasil tem dois novos Bispos: o Papa nomeou Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Salvador (BA) o Pe. Hélio Pereira dos Santos, até então Vigário-geral e Pároco da paróquia “Bom Jesus dos Pobres”, em Quebrangulo (AL).

Dom Hélio Pereira dos Santos nasceu em 18 de novembro de 1967 em Pão de Açúcar, na Diocese de Palmeira dos Índios (AL). Estudou Filosofia no Seminário Arquidiocesano de Maceió (1990-1992) e Teologia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1993-1996).  Especializou-se em História no “Centro de Estudos Superiores de Maceió” e cursou Letras na Universidade Estadual de Alagoas.
Foi ordenado sacerdote em 19 de dezembro de 1996, e incardinado na Diocese de Palmeira dos Índios, na qual desempenhou os cargos de tesoureiro, reitor de Seminário, vigário paroquial e coordenador diocesano de Pastoral. Atualmente é Vigário-Geral, Chanceler da Cúria e Pároco da paróquia “Bom Jesus dos Pobres” a Quebrangulo (AL).
Paraná
A Diocese de Palmas-Francisco Beltrão (PR) também tem novo Bispo: trata-se do Pe. Edgar Xavier Ertl, até então Superior Provincial da Província “Nossa Senhora Conquistadora” dos Padres Palotinos, com sede em Santa Maria (RS).
Dom Edgar Xavier Ertl nasceu em 3 de setembro de 1966 em Nova Prata do Iguaçu (PR). Estudou no Instituto di Filosofia e Teologia de Santa Maria-RS (IFITESMA) e fez licenciatura em Teologia Dogmática na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma (2001-2003).
Fez a Profissão perpétua em 25 de maio de 1996 na Sociedade do Apostolado Católico (Padres Palotinos) e foi ordenado sacerdote em 29 de dezembro 1996.
Inicialmente, desempenhou o ministério sacerdotal nas paróquias confiadas à sua família religiosa em Colorado d’Oeste (RO) e em Campo Grande (MS). Depois de estudar em Roma, voltou a Santa Maria (RS), onde foi formador, reitor, professor, vice-provincial e, desde 2014, superior provincial.
Fonte: Site da Rádio Vaticano

"QUEM IGNORA O SOFRIMENTO DO HOMEM, IGNORA A DEUS"

Cidade do Vaticano (RV) – Nesta quarta-feira, o Papa concedeu audiência a cerca de 25 mi fiéis, romanos e turistas presentes na Praça São Pedro, e fez uma catequese baseada na parábola do Bom Samaritano.
A parábola tem origem na pergunta de um Doutor da lei que queria testar Jesus: “Quem é o meu próximo?”. Ele queria uma resposta clara para distinguir os ‘próximos’ dos ‘não-próximos’, tentava entender se eram seus parentes, compatriotas ou pessoas da mesma religião. Jesus responde com uma parábola.
O sacerdote, o levita e o samaritano
Um homem, viajando no caminho entre Jerusalém e Jericó, foi interceptado por bandidos que, depois de o roubarem, ainda o deixaram gravemente ferido. Um sacerdote, um levita e um samaritano passam por ali. O sacerdote e o levita eram religiosos. Esperava-se deles que fossem praticantes da palavra de Deus, pois a conheciam, sabiam o que tinham que fazer. Já o samaritano era um judeu cismático, visto como estrangeiro, pagão e impuro. O sacerdote e o levita ignoram o homem que acabara de ser assaltado e agredido. 
Conhecer a Bíblia não significa saber amar
“O primeiro ensinamento na parábola é este: não é automático que quem frequenta a casa de Deus e conhece a sua misericórdia sabe amar o próximo. Você pode conhecer toda a Bíblia, toda a teologia, mas o amor... vai por outro caminho! Diante do sofrimento de tanta gente que sofre fome, violência e injustiças, não podemos ser meros espectadores. Ignorar o sofrimento do homem significa ignorar Deus!”, frisou o Papa.
Francisco prosseguiu destacando o centro da parábola: o samaritano, o desprezado, aquele que também tinha seus afazeres, faz de tudo para salvar esse homem, ‘moveu-se de compaixão’. “Esta é a diferença”, disse, “os outros dois viram, mas seus corações ficaram impassíveis enquanto o coração do bom samaritano estava ‘sintonizado’ com o coração de Deus. Em seus gestos e ações, identificamos o agir misericordioso de Deus: é a mesma compaixão com que o Senhor vem ao encontro de cada um de nós. 
Aproximar-se de quem sofre é aproximar-se de Deus
“Ele não nos ignora, conhece nossas dores, sabe que precisamos de ajuda e consolação. Ele vem perto de nós e nunca nos abandona”.
O samaritano doou-se completamente ao homem que necessitava, empregando cuidado, tempo e até dinheiro. “E isto nos ensina que a compaixão, o amor, não é um sentimento vago, mas significa cuidar do outro, comprometer-se, identificar-se com ele: “Amarás o próximo como a ti mesmo”, é o mandamento do Senhor. 
Compaixão: sofrer 'com'
Concluindo a parábola, Jesus perguntou Jesus “Qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?”. E a resposta é indiscutível: “Aquele que teve compaixão dele”.  
Francisco explicou que o ‘próximo’ foi o samaritano, porque se aproximou do moribundo. “Não devemos classificar os outros e ver quem é próximo e quem não o é. Podemos nos tornar próximos de quem quer que esteja em necessidade, e o seremos se tivermos compaixão em nosso coração”.
Amar como Ele nos amou
“Esta parábola – concluiu – é um lindo presente, e um compromisso, para todos nós.  “Vai e faze tu a mesma coisa”, disse Jesus ao Doutor da lei. Somos todos chamados a percorrer o mesmo caminho do samaritano, que retrata Cristo: “Jesus se inclinou sobre nós, se fez nosso servo, e assim nos salvou, para que nós possamos nos amar, como Ele nos amou”. 
Fonte: Site da Rádio Vaticano

PARABÉNS FREI LEOPOLDO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 27 de abril de 2016, recorda o 51º aniversário natalício de Frei Antônio Leopoldo Sarroche Filho, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Antônio Leopoldo Sarroche Filho, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Pároco na Paróquia São José, na cidade de Ribeirão Preto (SP).

terça-feira, 26 de abril de 2016

26/4: NOSSA SENHORA, MÃE DO BOM CONSELHO


Em 1903, Leão XIII incluiu a invocação da «Mãe do Bom Conselho» na ladainha Lauretana. O culto à virgem com o titulo de Mãe do Bom Conselho, difundido hoje pelo mundo inteiro, tem sua origem na cidade de Genazzano, situada às portas de Roma, onde tem um célebre Santuário. No dia 25 de abril de 1467 um afresco que representava a Virgem com o menino que abraçava a Mãe, «apareceu de modo admirável» em uma parede da Igreja agostiniana que se encontrava em restauração. Imediatamente a Igreja se converteu em meta de peregrinações e a imagem estática da Virgem do Bom Conselho se difundiu pelo mundo inteiro. 

Com razão honramos à Maria com o titulo de Bom Conselho, já que ela é Mãe de Cristo, «O conselheiro admirável» (Is 9, 5), viveu sob a guia do Espírito de conselho e acolheu intimamente o eterno Conselho de recapitular todas as coisas em Cristo ( cf. Ef 1, 10). 

Ao honrar à Virgem do Bom Conselho queremos implorar a Deus o dom do conselho, «para que nos faça conhecer o que agrada ao Senhor, e nos guie nas peripécias da vida». 


Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.Vwu8PXCh.dpuf

segunda-feira, 25 de abril de 2016

SEMINÁRIO SOBRE A CARTA ENCÍCLICA "LAUDATO SI" DO PAPA FRANCISCO

Inicia neste dia 25 de abril de 2016 com término para o dia 29 de abril de 2016, no horário das 19h30 às 21h30, na igreja/catedral de São Pedro, em Cachoeiro de Itapemirim, o Seminário Laudato Sí - Carta Encíclica do Papa Francisco.

Apresentação do Seminário

"Laudato si , mi Signore - Louvado sejas, meu Senhor", cantava São Francisco de Assis. Neste gracioso cântico, recordava-nos que a nossa casa comum se pode comparar ora a uma irmã, com quem partilhamos a existência, ora a uma boa mãe, que nos acolhe nos seus braços (cf. n. 1).


Assim o Papa Francisco inicia a Carta Encíclica Laudato Si, convidando toda a família humana a buscar um desenvolvimento sustentável e integral e a colaborar na construção da nossa casa comum. Ele lança um convite urgente a renovar o diálogo sobre a maneira como estamos construindo o futuro do planeta, considera todo o esforço feito por muitos movimentos ecológicos que já percorreram um rico caminho. Mas reflete que ainda há indiferença, acomodação e falta de solidariedade universal no esforço para com o cuidado da criação. 



O papa espera que esta Carta Encíclica ajude a reconhecer a grandeza, a urgência e a beleza do desafio que temos pela frente. Francisco faz uma breve resenha dos vários aspectos da atual crise ecológica, com o objetivo de assumir os melhores frutos da pesquisa científica atualmente disponível, deixar-se tocar por ela em profundidade e dar uma base concreta ao percurso ético e espiritual seguido. A partir desta panorâmica, retoma algumas argumentações que derivam da tradição judaico-cristã, a fim de dar maior coerência ao nosso compromisso com o meio ambiente.



Este seminário quer ser uma oportunidade para aprofundar a reflexão sobre o conteúdo deste documento na sociedade em geral (escolas, universidades, comunidades Eclesiais de Base, Igrejas Evangélicas, ambientalistas, órgãos governamentais, empresários e demais profissionais ligados às questões sociais e ambientais).

Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim 


MISSA COM OS JOVENS, ESPECIAL PARA AS MÃES


ENCONTRO COM AS MÃES

No dia 14 de maio de 2016, no período de 14h às 17h, acontecerá no salão da igreja/matriz de Nossa Senhora da Consolação, o encontro para todas as mães da Paróquia Nossa Senhora da Consolação.

Você, mãe, é convidada a participar desse encontro. Pede-se que leve um lanche para ser partilhado.

Inscrições na Secretaria Paroquial.


PARABÉNS DOM ORANI JOÃO CARDEAL TEMPESTA!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 25 de abril de 2016, recorda o 19º aniversário de ordenação episcopal de Dom Orani João Cardeal Tempesta, O. Cist. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse pastor e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Dom Orani João Cardeal Tempesta, O. Cist., atualmente, serve à Igreja como Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro e como Cardeal da Igreja Romana é um dos assessores do Sumo Pontífice, o Papa Francisco.

domingo, 24 de abril de 2016

PAPA: A FELICIDADE É CRISTO, NÃO UM APLICATIVO NO CELULAR

Cidade do Vaticano (RV) – Os jovens voltaram a se encontrar com o Papa Francisco este domingo (24/04), desta vez para a Santa Missa por ocasião do Jubileu dos Adolescentes.



O cenário para este encontro foi novamente a Praça S. Pedro, depois da maratona de confissões sábado pela manhã - ocasião em que Francisco confessou 16 moças e rapazes.  
Com a participação de cerca de 100 mil fiéis, a homilia do Pontífice foi inspirada no Evangelho do dia, no mandamento de Jesus aos discípulos, "amai-vos uns aos outros como eu vos ameis".

“O amor é a carteira de identidade do cristão, é o único ‘documento’ válido para sermos reconhecidos como discípulos de Jesus. Se este documento perde a validade e não for renovado, deixamos de ser testemunhas do Mestre”, disse Francisco, que reconheceu que amar não é fácil. É exigente e requer esforço, pois significa oferecer algo de nós mesmos: o próprio tempo, a própria amizade e as próprias capacidades. Não é o amor das novelas. É livre, porque não possui.

O segredo para amar é Jesus, acrescentou o Papa, que oferece o dom maior, um dom para a vida: Ele nos oferece uma amizade fiel, da qual nunca nos privará. A principal ameaça que impede de crescer como se deve é ninguém se importar conosco, é nos sentirmos deixados de lado. Ao contrário, o Senhor está sempre conosco. Ele no espera pacientemente e aguarda o nosso «sim».

A felicidade não é um 'app' no celular

Francisco falou ainda do desejo de liberdade que os adolescentes sentem. Ser livre, afirmou ele, não significa fazer aquilo que se quer, mas é o dom de poder escolher o bem: é livre quem procura aquilo que agrada a Deus, mesmo que nos obrigue a escolhas corajosas. Ser livre é saber dizer sim e não. “Não se contentem com a mediocridade, ficando cômodos e sentados; não confiem em quem os distrai da verdadeira riqueza, dizendo que a vida só é bela se possuir bens materiais. A felicidade não tem preço, nem se comercializa; não é um ‘aplicativo’ que se baixa no celular: nem a versão mais atualizada os ajudará a torná-los livres e grandes no amor.”

Com efeito, o amor é o dom livre de quem tem o coração aberto; é uma responsabilidade que dura toda a vida; é um compromisso diário, feito também de sonhos. "Ai dos jovens que não sabem sonhar. Se um jovem dessa idade não sonha, já está aposentado." O amor não se realiza falando dele, mas o colocando em prática! Para crescer no amor, o segredo também é o Senhor. “Quando parecer difícil dizer não àquilo que é errado, ergam os olhos para a cruz de Jesus e não larguem a sua mão que os conduz para o alto”, indicou o Papa. Esta mão que, muitas vezes, pode ser a de um pai, de uma mãe ou de um amigo para não nos deixar caídos. "Deus nos quer em pé, sempre."

Treinar o amor

Mas também para amar é preciso treinamento, disse Francisco, como os campões esportivos, começando desde já com empenho e afinco. Como programa diário desse treinamento, o Papa sugeriu as obras de misericórdia. “Assim, se tornarão campeões de vida, campeões de amor, e serão reconhecidos como discípulos de Jesus. E lhes garanto: a alegria será completa.”

Ao final da Missa, o Papa percorreu toda a Praça S. Pedro a bordo de seu papamóvel para saudar os fiéis.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

sábado, 23 de abril de 2016

REFLEXÃO PARA O V DOMINGO DA PÁSCOA - "AMAI-VOS UNS AOS OUTROS"

Cidade do Vaticano (RV) - O Evangelho de hoje é surpreendente enquanto nos diz qual o modo de ser de Jesus é diferente do modo de ser dos homens: é claro que já o sabemos, mas não nos acostumamos com isso.

Na história antiga, a vitória dos reis, dos generais, se manifestava na opressão sobre os vencidos. A entrada triunfal dos generais romanos, de Júlio César, por exemplo, e também dos de outros povos era a expressão maior da opressão. À frente de sua pessoa, no desfile, eram levados os troféus, objetos de valor, animais, tudo pilhado no butim. Mais horripilante era que no conjunto desses despojos estavam seres humanos, homens, mulheres, crianças, reis, príncipes, pessoas comuns, todos sendo arrastados como objetos a serem vendidos como escravos. A glória do comandante, a vitória do povo estava alicerçada na desgraça, na infame humilhação, no sangue, na morte de um povo.

Com Jesus é o contrário. Nos versículos 31 e 32 do Evangelho de hoje, nos fala que sua morte é sua glorificação e é na cruz que ele demonstrará seu amor por todos nós. Mais ainda, isso é dito após ele ter lavado os pés dos discípulos, de todos, inclusive de Judas que o irá trair. O Senhor não usa de retaliação para com Judas, ao contrário, lhe oferece mais uma oportunidade de se deixar tocar pelo amor.

Aproveitemos o momento e façamos uma reflexão sobre nosso testemunho de Jesus.

Como procedemos? Qual nossa visão de sucesso, de êxito? A quem parabenizamos? A quem é rico, inteligente, bonito, culto? A quem prontamente nos colocamos à disposição? Somente a quem tem algo a nos dar em troca?

Qual nossa relação para com os pobres, os velhos, os doentes, os aleijados, os marginalizados pela sociedade?

O Senhor termina o Evangelho de hoje dizendo: “Nisso todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros”.

Jesus nos propõe um modo de ser para criar o mundo novo, de amor, de respeito, de serviço.

A segunda leitura, tirada do livro do Apocalipse, que fala de um novo céu e uma nova terra, está falando exatamente dessa nova civilização onde uma nova ordem social é instaurada, a ordem do amor, da fraternidade.

Por isso, “a morte não existirá mais”, não haverá mais violência, nem tripúdio do mais forte sobre o mais fraco, mas será a vitória da misericórdia. Então ouviremos: “Eis que faço novas todas as coisas”! Sejamos esses homens e mulheres novos, construtores de uma nova sociedade alicerçada no amor. (Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o V Domingo da Páscoa)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

PARABÉNS FREI EVANDRO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 23 de abril de 2016, recorda o 76º aniversário natalício de Frei Evandro A. Ferreira da Silva, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Evandro A. Ferreira da Silva, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como sacristão na Paróquia São Januário e Santo Agostinho, na cidade do Rio de Janeiro (RJ). 

quinta-feira, 21 de abril de 2016

PARABÉNS FREI JOSÉ ROBERTO MASON - FREI MASON!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostiniano Recoletos neste dia, 21 de abril de 2016, recorda o 57º aniversário de Frei José Roberto Mason, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei José Roberto Mason, O.A.R., atualmente, reside e trabalha na cidade de Ribeirão Preto (SP) e entre tantas atividades na Paróquia de São José, exerce o serviço de Secretário Provincial da Província Santa Rita de Cássia.

domingo, 17 de abril de 2016

PARABÉNS FREI ANDRÉ!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 17 de abril de 2016, recorda o 31º aniversário natalício de Frei André Pereira de Arruda, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação, congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei André Pereira de Arruda, O.A.R., atualmente, reside na Paróquia São José, na cidade de Ribeirão Preto (SP) e trabalha no Serviço de Animação Vocacional na Província Santa Rita de Cássia.

sábado, 16 de abril de 2016

REFLEXÃO PARA O IV DOMINGO DA PÁSCOA - DOMINGO DO BOM PASTOR: "EU E O PAI SOMOS UM"

Cidade do Vaticano (RV) - Celebramos hoje, como em todo IV Domingo Pascal, o Dia do Bom Pastor!

A dimensão dada ao título “pastor” neste domingo, não é a de um homem manso e carinhoso em relação a cada uma das ovelhas de seu rebanho, mas a de um enérgico pastor que toma conta e luta pelo rebanho.

A salvação das ovelhas está assegurada pela determinação do pastor que diz “ninguém vai arrancá-las de minha mão.” Nada que fizermos conseguirá nos separar de Deus! Essa é uma incomensurável boa nova! E o Senhor acrescenta: “ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai.” Somos de Deus e pronto!
Cristo é o Pastor que deu vida pelo rebanho, formado por pessoas que praticam o bem, que dão a vida pelos irmãos, como Jesus. Só pode dar a vida quem crê na ressurreição, quem já vive como ressuscitado. Seu dom supera a morte!

Aí está o sinal da vocação, viver neste mundo sem deixar-se apegar ao mal, ouvindo o chamado para fazer o bem! “As minhas ovelhas escutam a minha voz”, a voz do bem, do ressuscitado, do livre!
Somos chamados ao rebanho de Cristo se nossa vida é fazer o bem!

Jesus e o Pai constituem uma unidade: “Eu e o Pai somos um”. Criticar e rejeitar Jesus, é criticar e rejeitar o Pai. É necessário que nos tornemos um com Cristo. Nossos valores, nossos projetos, nossos desejos deverão ser os de Cristo. Recordemos nossas renúncias e nossa profissão de fé realizadas no batismo. Foi nossa rejeição ao pecado, à morte, e nosso sim a Deus, à Vida.

A força de Jesus é transmitida aos que recebem sua vida, o sopro de seu Espírito. Por isso o mundo não pode arrebatar aqueles que são de Jesus, que são do Pai.

Peçamos ao Pai do Senhor Jesus, o Bom Pastor, que nos fortifique, que nos solidifique na vocação à vida e na resposta dada através de nosso batismo. Digamos a oração da missa de hoje: “Deus eterno e todo-poderoso, conduzi-nos à comunhão das alegrias celestes, para que o rebanho possa atingir, apesar de sua fraqueza, a fortaleza do Pastor.”  (Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o IV Domingo da Páscoa)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

SÚPLICAS AOS PRANTOS MARCAM VISITA DO PAPA A CAMPO DE REFUGIADOS EM LESBOS

Lesbos (RV) – A visita do Papa junto com o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Atenas ao Campo de Refugiados Mòria, na ilha de Lesbos, foi marcada pelo desespero dos alguns refugiados, ao encontrar os líderes religiosos na manhã de sábado (16/04).

Diante de Francisco, um homem cristão suplicou, ao gritos, por ajuda enquanto pedia para que fosse abençoado.

Ao se dirigirem para a saída, após cumprimentar mais de 250 refugiados, uma mulher cristã ajoelhou-se diante do Papa pedindo para que lhe ajudasse e a abençoasse.

Aos jornalistas, durante o voo para Lesbos, Francisco destacou que esta seria uma viagem triste.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

PARABÉNS FREI WESLEY!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 16 de abril de 2016, recorda o 33º aniversário da Frei Wesley Silva Rosa, O.A.R. e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esse religioso e roga a Deus que o cumule de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Wesley Silva Rosa, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como religioso e entre outro serviços trabalha como formador no Seminário Nossa Senhora Aparecida, na cidade de Franca (SP).

PAPA EMÉRITO BENTO XVI COMPLETA 89 ANOS

Cidade do Vaticano (RV)Francisco enviou seus parabéns, do avião que o levou à Grécia, ao Papa emérito Bento XVI que, neste sábado (16/4), completa 89 anos.

Juntamente com todos os que o acompanham nesta viagem a Lesbos - delegação vaticana e jornalistas - o Papa transmite a Bento XVI “suas felicitações mais carinhosas e cordiais pelo seu aniversário, pedindo ao Senhor que continue a abençoar o seu precioso serviço de proximidade e oração por toda a Igreja”.

Concerto
Por ocasião dos seus 89 anos, Bento XVI será homenageado, na tarde deste sábado, com um concerto da Orquestra Filarmônica de Franciacorta, região italiana de Brescia, na Sala Assunta da Palazzina Leão XIII, no Vaticano.

Este, certamente, é um presente que agrada ao Papa Emérito, tendo em vista sua paixão pela música de Mozart, como ele mesmo declarou em seu discurso de agradecimento a uma conferência da Pontifícia Universidade “João Paulo II” de Cracóvia e da Academia de Música de Cracóvia, em 4 de julho de 2015.

Serão executados três dos seis quartetos de arcos que Wolfang Amadeus Mozart dedicou ao amigo Franz Joseph Haydn, que estão entre as obras de mais alto nível do compositor de Salzburg. A direção é do Maestro Edmondo Mosé Savio.

Presente
A homenagem contará com a presença de alguns amigos e do irmão mais velho, Mons. Georg Ratzinger, que em janeiro completou 92 anos.

Em uma recente entrevista, o Prefeito da Casa Pontifícia e Secretário de Bento XVI há mais de 21 anos, Dom Georg Gänswein, afirmou: “Em abril, o Papa emérito Bento XVI comemora 89 anos: é como uma vela que lenta e serenamente vai se apagando, como acontece com uma pessoa idosa. No entanto, ele é sereno, lucidíssimo e em paz com Deus, consigo mesmo e com o mundo. Ele se interessa por tudo o que acontece e mantém seu humor fino e sutil; mantém também sua paixão por dois gatos, Contessa e Zorro, que vivem nos jardins adjacentes à sua Casa, no Vaticano.

Devido à sua idade avançada, Bento XVI caminha lentamente com um andador. Mantém em dia suas numerosas correspondências, mas não escreve mais livros; ele se limita a ditar cartas à sua secretária. Enfim, leva uma vida de monge, como ele deseja, mas não está isolado: reza, lê, ouve música, recebe visitas, toca o piano”. (MT/Zenit)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

sexta-feira, 15 de abril de 2016

ASSEMBLEIA DA CNBB: DECLARAÇÃO SOBRE O MOMENTO NACIONAL

Aparecida (RV) - A Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou, na tarde desta quinta-feira, 14 de abril, Declaração sobre o momento nacional, dentro das atividades da 54ª Assembleia Geral da CNBB, que acontece em Aparecida (SP), de 6 a 15 de abril. Na ocasião, participaram o arcebispo de Brasília (DF) e presidente da CNBB, dom Sergio da Rocha; o arcebispo de Salvador (BA) e vice-presidente, dom Murilo Krieger; o bispo auxiliar de Brasília e secretário geral, dom Leonardo Steiner. 
Frente à crise ética, política, econômica e institucional pela qual passa o país, o episcopado brasileiro conclama "o povo brasileiro a preservar os altos valores da convivência democrática, do respeito ao próximo, da tolerância e do sadio pluralismo, promovendo o debate político com serenidade. Manifestações populares pacíficas contribuem para o fortalecimento da democracia. Os meios de comunicação social têm o importante papel de informar e formar a opinião pública com fidelidade aos fatos e respeito à verdade".
Confira a íntegra do texto:
"Declaração da CNBB sobre o momento nacional"
“Quem pratica a verdade aproxima-se da luz” (Jo 3,21).
Nós, bispos católicos do Brasil, reunidos em Aparecida, na 54ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), frente à profunda crise ética, política, econômica e institucional pela qual passa o país, trazemos, em nossas reflexões, orações e preocupações de pastores, todo o povo brasileiro, pois, “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens e mulheres de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo” (Gaudium et Spes, 1).
Depois de vinte anos de regime de exceção, o Brasil retomou a experiência de um Estado democrático de direito. Os movimentos populares, organizações estudantis, operárias, camponesas, artísticas, religiosas, dentre outras, tiveram participação determinante nessa conquista. Desde então, o país vive um dos mais longos períodos democráticos da sua história republicana, no qual muitos acontecimentos ajudaram no fortalecimento da democracia brasileira. Entre eles, o movimento “Diretas Já!”, a elaboração da Carta Cidadã, a experiência das primeiras eleições diretas e outras mobilizações pacíficas.
Neste momento, mais uma vez, o Brasil se defronta com uma conjuntura desafiadora. Vêm à tona escândalos de corrupção sem precedentes na história do país. É verdade que escândalos dessa natureza não tiveram início agora; entretanto, o que se revela no quadro atual tem conotações próprias e impacto devastador. São cifras que fogem à compreensão da maioria da população. Empresários, políticos, agentes públicos estão envolvidos num esquema que, além de imoral e criminoso, cobra seu preço. 
Quem paga pela corrupção? Certamente são os pobres, “os mártires da corrupção” (Papa Francisco). Como pastores, solidarizamo-nos com os sofrimentos do povo. As suspeitas de corrupção devem continuar sendo rigorosamente apuradas. Os acusados sejam julgados pelas instâncias competentes, respeitado o seu direito de defesa; os culpados, punidos e os danos, devidamente reparados, a fim de que sejam garantidas a transparência, a recuperação da credibilidade das instituições e restabelecida a justiça. 
A forma como se realizam as campanhas eleitorais favorece um fisiologismo que contribui fortemente para crises como a que o país está enfrentando neste momento.
Uma das manifestações mais evidentes da crise atual é o processo de impeachment da Presidente da República. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil acompanha atentamente esse processo e espera o correto procedimento das instâncias competentes, respeitado o ordenamento jurídico do Estado democrático de direito. 
A crise atual evidencia a necessidade de uma autêntica e profunda reforma política, que assegure efetiva participação popular, favoreça a autonomia dos Poderes da República, restaure a credibilidade das instituições, assegure a governabilidade e garanta os direitos sociais.  
De acordo com a Constituição Federal, os três Poderes da República cumpram integralmente suas responsabilidades. O bem da nação requer de todos a superação de interesses pessoais, partidários e corporativistas. A polarização de posições ideológicas, em clima fortemente emocional, gera a perda de objetividade e pode levar a divisões e violências que ameaçam a paz social.
Conclamamos o povo brasileiro a preservar os altos valores da convivência democrática, do respeito ao próximo, da tolerância e do sadio pluralismo, promovendo o debate político com serenidade. Manifestações populares pacíficas contribuem para o fortalecimento da democracia. Os meios de comunicação social têm o importante papel de informar e formar a opinião pública com fidelidade aos fatos e respeito à verdade.
Acreditamos no diálogo, na sabedoria do povo brasileiro e no discernimento das lideranças na busca de caminhos que garantam a superação da atual crise e a preservação da paz em nosso país. “Todos os cristãos, incluindo os Pastores, são chamados a se preocupar com a construção de um mundo melhor” (Papa Francisco).
Pedimos a oração de todos pela nossa Pátria. Do Santuário de Nossa Senhora Aparecida, invocamos a bênção e a proteção de Deus sobre toda a nação brasileira.
Aparecida - SP, 13 de abril de 2016.
Dom Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger, SCJ
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

Fonte: Site da Rádio Vaticano

SEMANA VOCACIONAL AGOSTINIANA RECOLETA 2016


ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES AGOSTINIANA RECOLETA


Senhor nosso Deus: fazei que o clamor de vossa voz chegue a muitos. 
Que se levantem e vivam unidos a vós. 



Preparai seus corações com a vossa palavra, de modo que se disponham a evangelizar os pobres
e a cuidar de vossa extensa messe.


 
Senhor, que todos os chamados à vida agostiniana recoleta escutem vossa voz e possam cumprir Vossa vontade. 



Amém.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

MISSA JOVEM ESPECIAL PARA AS MÃES


SEMANA VOCACIONAL AGOSTINIANA RECOLETA 2016

A vocação de Maria (Lc 1,26-38)

E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. E, entrando o anjo onde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres. E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras, e considerava que saudação seria esta. Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus.

E eis que conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.

E disse Maria ao anjo: Como será isto, visto que não conheço homem algum? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus. E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril; Porque para Deus nada é impossível. Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor, cumpra-se em mim segundo a tua Palavra. E o anjo ausentou-se dela.

Fonte: Catequese Vocacional. Tema: A Vocação na Sagrada Escritura. Semana Vocacional Agostiniana Recoleta 2016