sexta-feira, 31 de outubro de 2014

ALEGRIA, GRATIDÃO E ESPERANÇA: PAPA É CONVIDADO A VISITAR BRASÍLIA EM 2017


Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco recebeu em audiência esta manhã, no Vaticano, o Arcebispo de Brasília, Dom Sérgio da Rocha.

Dom Sérgio está no Vaticano visitando algumas Congregações na qualidade de Presidente da Comissão Episcopal para a Doutrina da CNBB. 

Ao Pontífice, o Arcebispo renovou um convite que lhe foi feito por ocasião da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro: visitar a capital federal em 2017, quando Francisco irá a Aparecida para celebrar os 300 anos da imagem de Nossa Senhora.

Como resposta de Francisco, Dom Sérgio ouviu três palavras: alegria, gratidão e esperança. 

“Alegria por sentir o afeto por parte do povo e do episcopado brasileiro, gratidão pelo convite e, por fim, a esperança que ele mesmo demonstrou [de concretizar a visita]. Graças a Deus, o Papa não excluiu a possibilidade de visitar Brasília, que além de ser a capital federal, é a sede da CNBB e de outras organizações ligadas à Igreja. Eu creio que nós vamos ter sim a presença dele em Brasília caso se confirme esta visita ao Brasil”, declarou Dom Sérgio em entrevista ao Programa Brasileiro.

HORÁRIOS DE MISSAS NOS DIAS 1º E 2 DE NOVEMBRO DE 2014 NA IGREJA NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO

No final de semana dos dias 1º de novembro de 2014, em que a Igreja celebra a Solenidade de Todos os Santos, e no dia 2 de novembro de 2014, em que a Igreja celebração a Comemoração dos Fiéis Defuntos, na Igreja de Nossa Senhora da Consolação, as missas acontecerão nos seguintes horários:

1º DE NOVEMBRO DE 2014 (SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS)

6h30 e às 19 h

2 DE NOVEMBRO DE 2014 (COMEMORAÇÃO DOS FIÉIS DEFUNTOS)

6h30, 17h e às 19h (missa com os jovens)

ORDENAÇÃO PRESBITERAL EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NO DIA 1º DE NOVEMBRO DE 2014

No dia em que a Igreja celebra a Solenidade de Todos os Santos, 1º de novembro de 2014, a Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos e a Diocese de Cachoeiro de Itapemirim rendem graça a Deus pela Ordenação Presbiteral de Frei Clébson de Souza Rodrigues, O.A.R. e convida você e sua família para participarem deste momento de muita festa.

A Celebração Eucarística será no Ginásio Poliesportivo da Escola CAIC, no Bairro IBC, em Cachoeiro de Itapemirim (ES), às 18h30.


Frei Clébson de Souza Rodrigues, O.A.R.

PAPA: O AMOR ABRE AS PORTAS DA ESPERANÇA, NÃO O RIGOR A LEI


Cidade do Vaticano (RV) – Cristãos que ficam tão presos à lei que se esquecem da justiça: este foi o tema da homilia que o Papa Francisco pronunciou durante a Missa celebrada esta manhã na Casa Santa Marta.

No Evangelho do dia, Jesus pergunta aos fariseus se é lícito ou não curar aos sábados, mas eles não respondem. Ele, então, toma um doente pela mão e o cura. Diante da verdade, afirmou o Papa, os fariseus se calam, “mas tramavam contra Ele por trás”. Jesus repreende essas pessoas que “eram tão presas à lei a ponto de esquecerem a justiça”, negando até mesmo a ajuda aos pais idosos com a desculpa de terem dado tudo em doação ao Templo. Mas o que é mais importante? – perguntou o Papa - o quarto Mandamento ou o Templo?“:

Este caminho de viver presos à lei os afastava do amor e da justiça. Preocupavam-se com a lei e ignoravam a justiça e o amor. E para essas pessoas, Jesus só tinha uma única palavra: hipócritas. De um lado, vão em busca de proselitistas. E depois? Fecham a porta. Homens de fechamento, tão presos ao rigor da lei, mas não à lei, que é amor; e sempre fechavam as portas da esperança, do amor, da salvação... Homens que somente sabiam fechar”.

“O caminho para ser fiéis à lei, sem ignorar a justiça e o amor” – prosseguiu o Papa citando a Carta de São Paulo aos filipenses –, “é o caminho inverso: do amor à integridade; do amor ao discernimento; do amor à lei”: 

Este é o caminho que nos ensina Jesus, totalmente oposto ao dos doutores da lei. E este caminho do amor à justiça leva a Deus. Ao invés, o outro caminho, de ficar presos somente à lei, ao rigor da lei, leva ao fechamento, ao egoísmo. O caminho que vai do amor ao conhecimento e ao discernimento, à plena realização, leva à santidade, à salvação, ao encontro com Jesus. Do contrário, este caminho leva ao egoísmo, à soberba de sentir-se justos, àquela santidade entre aspas das aparências, não? Jesus diz a essas pessoas: ‘Mas vocês gostam de se mostrar como homens de oração, de jejum... mostrar-se, não? E por isso Jesus diz à pessoas: ‘Façam o que dizem, não o que fazem’”.

Com pequenos gestos, Jesus nos faz compreender o caminho do amor ao pleno conhecimento e ao discernimento. Ele nos pega pela mão e nos cura: 

Jesus se aproxima: a proximidade é justamente a prova de que nós caminhos na verdadeira via. Porque é a via que Deus escolheu para nos salvar: a proximidade. Aproximou-se de nós, fez-se homem. A carne de Deus é o sinal; é o sinal da verdadeira justiça. Deus que se fez homem como um de nós, e nós que devemos nos fazer como os outros, como os necessitados, como os que precisam da nossa ajuda”.

“A carne de Jesus” – afirmou o Papa - “é a ponte que nos aproxima de Deus... não é o rigor da lei: não! Na carne de Cristo, a lei se realiza plenamente” e “é uma carne que sabe sofrer, que deu sua vida por nós”. “Que esses exemplos, esse exemplo de proximidade de Jesus, do amor à plenitude da lei – concluiu o Papa Francisco –, nos ajudem a jamais cair na hipocrisia: jamais. É tão feio um cristão hipócrita. Que o Senhor nos salve disso!”.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

FRANCISCO: O DIABO NÃO É UM MITO, É PRECISO COMBATÊ-LO COM A VERDADE


Cidade do Vaticano (RV) - A vida cristã é uma “luta” contra o demônio, o mundo e as paixões da carne. Foi o que afirmou o Papa na Missa presidida esta manhã na Casa Santa Marta.

Na homilia, Francisco comentou as palavras de São Paulo que, dirigindo-se aos Efésios, “fala da vida cristã numa linguagem militar”. O Pontífice destacou que “a vida de Deus deve ser defendida, se deve lutar para levá-la avante”. Portanto, são necessários força e coragem “para resistir e para anunciar”. Para prosseguir na vida espiritual – reafirmou – é preciso lutar. Não se trata de um simples confronto, mas de uma luta contínua. Francisco identificou três inimigos da vida cristã: “o demônio, o mundo e a carne”, ou seja, as nossas paixões, “que são as feridas do pecado original”. Certamente, observou, “a salvação que Jesus nos dá é gratuita”, mas somos chamados a defendê-la:

“Do que me devo defender? Que devo fazer? ‘Revestir-nos da armadura de Deus’, nos diz Paulo, ou seja, aquilo que é de Deus nos defende para resistir às insídias do diabo. Não se pode pensar numa vida espiritual, numa vida cristã, sem resistir às tentações, sem lutar contra o diabo, sem vestir esta armadura de Deus que nos dá força e nos protege.” 

São Paulo, prosseguiu o Papa, destaca que “a nossa batalha” não é contra pequenas coisas, “mas contra os principados e as potências, isto é, contra o diabo e seus aliados”. 

“Mas, esta geração – e tantas outras – nos fez acreditar que o diabo fosse um mito, uma figura, uma ideia, a ideia do mal. Mas o diabo existe e nós devemos lutar contra ele. É o que diz Paulo, não eu! É a Palavra de Deus. Mas nós não estamos muito convencidos. E depois Paulo nos diz como é esta armadura de Deus, quais são os diversos tipos de armaduras, que formam esta grande armadura de Deus. E ele diz: ‘Sejais firmes e cingi os vossos rins com a verdade’. Esta é a armadura de Deus: a verdade.”

“O diabo – disse - é o mentiroso, é o pai dos mentirosos, o pai da mentira.” E com São Paulo, reiterou que é preciso cingir os nossos rins com a verdade, revestir-nos da couraça da justiça. “Não se pode ser cristãos sem trabalhar continuamente para ser justos. Não se pode”. Uma coisa que nos ajudaria muito, disse, seria nos perguntar se ‘acredito ou não?’. Ou acredito mais ou menos? E evidenciou que “sem fé não se pode prosseguir, não se pode defender a salvação de Jesus”. Precisamos “deste escudo da fé”, porque “o diabo não nos lança flores”, mas “flechas em chamas” para nos matar. Francisco então exortou a tomar o capacete da salvação e a espada do Espírito e a vigiar “com orações e súplicas”: 

A vida é uma milícia. A vida cristã é uma luta, uma luta belíssima, porque quando o Senhor vence em cada passo da nossa vida, nos dá uma alegria, uma felicidade grande: aquela alegria que o Senhor venceu em nós, com a sua gratuidade de salvação. Mas sim, somos um pouco preguiçosos na luta e nos deixamos levar avante pelas paixões, por algumas tentações. Isso porque somos todos pecadores. Mas não devemos nos desencorajar. Coragem e força, porque o Senhor está conosco”. 

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

AÇÃO SOLIDÁRIA EM PROL DAS OBRAS DA DIOCESE DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM


Com o objetivo de concluir as obras na Casa de Encontro em Jerônimo Monteiro, a diocese de Cachoeiro de Itapemirim lançou a Ação Solidária em prol das obras da diocese.

Para ajudar basta adquirir um bilhete, no valor de R$ 10,00 (dez reais), para concorrer a 10  (dez) motos 0 Km (CG Fan 125), que serão sorteadas no dia 28 de dezembro de 2014, na Catedral de São Pedro, em Cachoeiro de Itapemirim, logo após a Missa das 9h.

Os bilhetes estão sendo vendidos em todas as paróquias da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim e suas respectivas comunidades, além da Cúria Diocesana, Rádio Diocesana e Escola Diaconal Santo Estevão.

As obras na Casa de Encontro de Jerônimo Monteiro tem por objetivo sanar as dificuldades que a Diocese de Cachoeiro de Itapemirim encontra para realizar encontros de formação para as pastorais, movimentos, etc. no que diz respeito a espaço. Por isso, sua colaboração é muito importante para a diocese.

O bispo diocesano dom Dario Campos encaminhou uma carta aos Párocos, Diáconos, Religiosas, Religiosos, Seminaristas e todo o Povo de Deus, conclamando a colaboração de todos.


Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim


DIOCESE DE SANTO AMARO (SP) GANHA BISPO COADJUTOR


Cidade do Vaticano (RV) – A Diocese de Santo Amaro (SP) tem novo Bispo Coadjutor: o Papa Francisco nomeou para o cargo Dom Giuseppe Negri, até então Bispo de Blumenau (SC).

Dom Negri nasceu em setembro de 1959 em Milão (Itália). Emitiu a profissão religiosa no Pontifício Instituto das Missões Exteriores (PIME) em dezembro de 1985 e foi ordenado sacerdote em junho de 1986. Estudou Filosofia (1980-1982) e Teologia (1983-1986) no Seminário do PIME em Monza; e fez Mestrado e Doutorado em Psicologia na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma (1995-1999).

No decorrer do seu ministério sacerdotal, desempenhou inúmeros cargos nas Arquidioceses de Uberaba (MG) e Florianópolis (SC), em Monza (Itália) e em Brusque (SC), na Diocese de Blumenau. 

Em dezembro de 2005 foi nomeado Bispo Auxiliar de Florianópolis e recebeu a ordenação episcopal em março de 2006. Em fevereiro de 2009 foi transferido para a Diocese de Blumenau.

DOM LEONARDO STEINER: "DILMA TERÁ TRABALHO DURO PELA FRENTE"


Cidade do Vaticano (RV) – Com 3 pontos percentuais de diferença, a Presidente Dilma Rousseff foi reeleita domingo, 26, para mais um mandato de 4 anos na chefia do país. Na eleição presidencial mais disputada da história, 21,10% de eleitores se abstiveram. Por descrença, apatia ou desilusão, 30.137.479 de brasileiros simplesmente não cumpriram o seu dever e não desfrutaram o direito de votar. 

A análise do resultado é unânime: o país está dividido e a Presidente terá que mostrar serviço. A economia parou de crescer, a inflação está subindo, os serviços de saúde e educação são carentes e a população reclama, como já o vem fazendo desde as manifestações de junho do ano passado.

Qual é o nosso futuro? Em entrevista concedida nesta terça-feira, 28, a Presidente fez promessas: afirmou que vai defender a regulação econômica da mídia e se empenhará na aprovação do projeto de lei que torna a homofobia crime. Dilma também tratou da proposta de reforma política por meio de um plebiscito, do escândalo da Petrobrás e do diálogo que pretende estabelecer com a oposição. 

A Igreja Católica foi um ator importante durante a campanha, promovendo inclusive um debate entre os candidatos antes do primeiro turno eleitoral. O arcebispo de Aparecida (SP) e Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Cardeal Raymundo Damasceno Assis, condenou os ataques pessoais mútuos entre os candidatos Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) e advertiu que os eleitores ficam desiludidos quando ao invés de discutir propostas, os candidatos assumem um comportamento desrespeitoso.

PAPA: "A IGREJA SOMOS TODOS NÓS. QUEM É PECADOR, LEVANTE A MÃO!"


Cidade do Vaticano (RV) – Nesta quarta-feira de outono romano, o Papa Francisco foi à Praça São Pedro receber os fiéis e turistas que o aguardavam para a audiência pública semanal. Atendendo, como sempre, às expectativas dos presentes, o Pontífice deu a volta na Praça com o papamóvel cumprimentando e sorrindo a todos, retribuindo o carinho e o entusiasmo da multidão. 

Em sua catequese, Francisco hoje explicou a questão das ‘duas Igrejas’: aquela que conhecemos – paróquias, comunidades, dioceses, movimentos – e a institucional, ou seja, as pessoas que a governam. “Como podemos entender a relação entre a realidade espiritual da Igreja e a visível?”, perguntou.

Antes de tudo, quando falamos da realidade visível, não devemos pensar apenas no Papa, nos Bispos, nos padres, nas freiras e nas pessoas consagradas. Ela abriga também muitos irmãos e irmãs batizados que no mundo creem, esperam e amam e que em nome de Jesus, se aproximam dos mais sofredores e últimos para lhes oferecer alívio, conforto e paz. Assim, é difícil compreender toda a dimensão da Igreja visível, já que não podemos medir o bem que ela faz"

Improvisando, Francisco que é difícil também calcular as obras de amor, a infidelidade nas famílias, o trabalho cotidiano dos pais ao transmitir a fé aos filhos, o sofrimento dos doentes... “Como conhecer todas as maravilhas que, por meio de nós, Cristo consegue atuar no coração e na vida das pessoas?”, questionou.

O Bispo de Roma continuou afirmando que o único modo que existe para compreender a relação entre a realidade visível e a espiritual da Igreja é olhar para Cristo. 

Assim como em Cristo, a natureza humana completa plenamente a divina, e se põe ao seu serviço, o mesmo acontece na Igreja: a Igreja também é um mistério no qual aquilo que não se vê é mais importante do que se vê e pode ser reconhecido somente com os olhos da fé”. 

No caso da Igreja, no entanto, como a realidade visível pode se colocar a serviço da espiritual?”, perguntou o Papa, mais uma vez. E a resposta está mais uma vez em Cristo, que é o modelo da Igreja e de todos nós. Podemos compreender lendo o Evangelho de Lucas, que narra a primeira pregação de Jesus na sinagoga de Nazaré. O trecho mostra que lhe foi dado o Espírito do Senhor que estava sobre Ele e lhe conferiu a unção para uma obra de libertação, de luz e de misericórdia.

Consequentemente, disse o Papa, “assim como Jesus se serviu da sua humanidade para anunciar e realizar o desígnio divino da redenção, assim também a Igreja, através da sua realidade visível, dos sacramentos e do seu testemunho, é chamada a aproximar-se de todo o ser humano começando por quem é pobre, por quem sofre e por quem vive marginalizado, para continuar a fazer sentir a todos o olhar compassivo e misericordioso de Jesus”.

Concluindo sua reflexão, Francisco admitiu que muitas vezes, a Igreja faz experiência de sua fragilidade e de seus limites: “Isto nos causa um profundo desgosto, principalmente quando damos o mau exemplo e nos tornamos motivo de escândalo. Todos somos pecadores – acrescentou – todos somos pecadores”. O Papa pediu a quem não fosse pecador que levantasse a mão, e nenhum dos presentes na Praça o fez.

O Papa insistiu no conceito que “falar mal dos outros é um pecado”, e reiterou que nós, ao invés de sermos maus exemplos, devemos ser testemunhas, “como Jesus quer que sejamos”. 

Por isso, pedimos ao Senhor o dom da fé, para que entendamos como – não obstante a nossa pequenez e nossa pobreza – o Senhor fez de nós instrumento de graça e sinal visível de seu amor por toda a humanidade”.

Antes de terminar o encontro, o Papa se dirigiu aos grupos presentes na Praça São Pedro, e saudou especialmente o grupo de sacerdotes do Rio de Janeiro e os membros das Comunidades “Canção Nova”, em festa pelo reconhecimento eclesial, e “Doce Mãe de Deus” e “Copiosa Redenção”, pelo jubileu de fundação. 

PARABÉNS AOS FREIS ADEMILDO, JOSÉ CARLOS E MARCUS DORRIGO!

O calendário da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos neste dia, 29 de outubro de 2014, recorda o 9º aniversário de ordenação presbiteral do Frei Ademildo Gomes, O.A.R., Frei José Carlos Jacinto Barboza, O.A.R. e Frei Marcus Dorrigo Leite, O.A.R e a Paróquia Nossa Senhora da Consolação congratula-se com esses sacerdotes neste dia de alegria e roga a Deus que os cumulem de ricas bênçãos de saúde e sabedoria.

Frei Ademildo Gomes, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora da Penha, na cidade de Castelo (ES).



Frei José Carlos Jacinto Barboza, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Pároco na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, na cidade Igarapava (SP).


Frei Marcus Dorrigo Leite, O.A.R., atualmente, reside e trabalha como Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, na cidade de São Paulo (SP).

terça-feira, 28 de outubro de 2014

PAPA: "CRISTÃO DEVE ENTRAR NA IGREJA, E NÃO PARAR NA 'RECEPÇÃO'"


Cidade do Vaticano (RV) – “A Igreja é feita por Jesus”, que não olha ao pecado dos homens, mas a seu coração. Ele o procura e o cura”. Foi a reflexão feita pelo Papa na homilia na missa celebrada na manhã de terça-feira, 28, na Casa Santa Marta. “Os cristãos – completou Francisco – devem se sentir parte da Igreja, sem parar em sua porta”. 

Dois mil anos atrás, Jesus construiu a sua Igreja e abriu as portas a todos, sem distinções, porque a Cristo interessa curar os corações e não medir os pecados. Citando o Evangelho do dia, que narra o nascimento da Igreja, e a Carta de Paulo, que descreve a Igreja como um ‘edifício bem ordenado’, o Papa chamou a atenção para as ações que marcaram a fundação da Igreja: Jesus se retira em oração, desce, vai aos discípulos, escolhe doze; simultaneamente acolhe e cura aqueles que tentam tocá-lo: 

Jesus reza, Jesus chama, Jesus escolhe, Jesus envia os discípulos, Jesus cura a multidão. Dentro deste templo, este Jesus, que é a pedra angular, faz todo este trabalho: é Ele que leva adiante a Igreja. Como dizia Paulo, esta Igreja foi edificada sobre o fundamento dos Apóstolos. Ele escolheu doze, doze pecadores. Judas não era o maior pecador, não sei quem era o mais pecador. Judas, pobrezinho, foi o que se fechou ao amor e por isso se tornou traidor, mas todos fugiram no momento difícil da Paixão e deixaram Jesus sozinho. Todos eram pecadores, mas Ele escolheu"

Jesus – disse ainda o Papa, citando São Paulo – não nos quer dentro da Igreja como hóspedes ou estrangeiros, mas com o direito de um cidadão. Na Igreja não estamos de passagem, estamos radicados nela. Nossa vida está ali. 

Nós somos cidadãos, concidadãos desta Igreja. Se nós não entrarmos neste templo e fizermos parte desta construção, para que o Espírito Santo habite em nós, nós não estaremos na Igreja. Nós estamos na porta e olhamos: ‘Que bonito… sim, isto é belo…’. Cristãos que não ultrapassam a recepção da Igreja; estão ali, na porta… ‘Mas sim, sou católico, mas não muito”.

Trata-se de um modo de agir não faz sentido em relação ao amor e à misericórdia totais que Jesus nutre por cada pessoa. A demonstração está na atitude de Cristo diante de Pedro, que o colocou à frente da Igreja. O primeiro pilar trai Jesus, e Ele responde perdoando:

Jesus não se importou com o pecado de Pedro: buscava o coração. Mas para encontrar esse coração e para curá-lo, rezou. Jesus que reza e Jesus que cura, também por cada um de nós. Não não podemos entender a Igreja sem este Jesus que reza e este Jesus que cura. Que o Espírito Santo nos faça entender, a todos nós, esta Igreja que tem a sua força na oração de Jesus por nós e que é capaz de curar a todos nós”.(BF-CM)

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

ORDENAÇÃO PRESBITERAL DE FREI CLÉBSON DE SOUZA RODRIGUES


Frei Clébson de Souza Rodrigues, O.A.R. será ordenado presbítero no próximo dia 1º de novembro de 2014, em Cachoeiro de Itapemirim, na Paróquia Nossa Senhora das Graças.

E você é convidado a estar presente nesse momento importante para toda a Igreja.


PAPA: "DEVEMOS SER FILHOS DA LUZ E CAMINHAR NA CARIDADE"


Cidade do Vaticano (RV) – “O exame de consciência de nossas palavras nos faz entender se somos cristãos da luz, das trevas ou cristãos ‘cinzentos’": foi o que disse o Papa Francisco na homilia matutina desta segunda-feira, 27, na Casa Santa Marta. 

“Os homens se reconhecem por suas palavras. São Paulo, convidando os cristãos a se comportarem como filhos da luz e não como filhos das trevas, ‘faz uma catequese sobre a palavra’. Existem quatro palavras para entender se somos filhos das trevas”:

É uma palavra hipócrita, um pouco aqui, um pouco ali, para ficar bem com todos? É uma palavra vazia, sem substância? É uma palavra vulgar, trivial, ou seja, mundana? Ou é uma palavra suja, obscena? Estas quatro palavras não são dos filhos da luz, não vêm do Espírito Santo, não vêm de Jesus, não são palavras evangélicas... este modo de falar, de falar de coisas sujas, mundanidade ou vacuidades, de falar hipocritamente”. 

Qual é, então, a palavra dos Santos, ou seja, dos filhos da luz?

Paulo diz: ‘Sejam imitadores de Deus: caminhem na caridade; caminhem na bondade; caminhem na mansidão’. Sejam misericordiosos – diz Paulo – perdoando-se mutuamente, como Deus os perdoou em Cristo. Sejam imitadores de Cristo e caminhem na caridade, ou seja, caminhem na misericórdia, no perdão e na caridade. Esta é a palavra de um filho da luz”.
“Existem cristãos luminosos, repletos de luz – observou o Papa –, que tentam servir o Senhor com esta luz”. E “existem cristãos tenebrosos”, que conduzem “uma vida de pecado, uma vida distante do Senhor” e usam aquelas quatro palavras que “são do maligno”. “Mas há um terceiro grupo de cristãos”, que não são “nem luminosos nem sombrios”:

São os cristãos cinzentos. E esses cristãos cinzentos uma vez estão de um lado; outra vez, de outro. As pessoas comentam: ‘Mas esta pessoa está bem com Deus ou com o diabo?’ Eh? Sempre cinzentos. Mornos. Não são nem luminosos nem sombrios. Deus não ama esse tipo de pessoa. No Apocalipse, o Senhor diz a esses cristãos cinzentos: ‘Não és quente nem frio. Quem dera fosses quente ou frio. Assim, porque és morno – cinzento – estou para te vomitar de minha boca’. O Senhor é duro com os cristãos cinzentos. ‘Mas eu sou cristão, mas sem exagerar!’ dizem eles, e fazem tão mal, porque seu testemunho cristão é um testemunho que, no final, semeia confusão, semeia um testemunho negativo”.

Não nos deixemos enganar pelas palavras vazias – exortou o Papa. “Ouvimos tantas coisas, algumas belas, bem ditas, mas vazias, sem conteúdo”. Ao invés, comportemo-nos como filhos da luz. “Nos fará bem hoje pensar na nossa linguagem, concluiu o Papa – e nos perguntar: “Sou cristão da luz? São cristão da escuridão? Sou cristão cinzento? E assim podemos dar um passo avante para encontrar o Senhor”.

MISSA COM A JUVENTUDE


FÓRUM "VIVA CACHOEIRO"


A Diocese de Cachoeiro de Itapemirim com o apoio do Centro Universitário São Camilo – ES e de diversos setores da sociedade cachoeirense lançará no dia 28 de outubro de 2014 o Fórum “Viva Cachoeiro”, que pretende ser um espaço democrático, ecumênico e diversificado para discutir questões relacionadas ao futuro do município de Cachoeiro de Itapemirim.

O evento marcará o início dos trabalhos do Fórum que se desenvolverá durante um período mais longo, suficiente para elaborar uma proposta que será encaminhada aos próximos governantes municipais. Contará com uma palavra institucional esclarecendo os objetivos e estratégias do Fórum e duas conferências tratando a primeira, da história de Cachoeiro, com enfoque na construção do cenário econômico atual da cidade e a segunda enfocando as experiências de mobilização social para o planejamento estratégico no município.

O evento acontecerá no Ginásio de Esportes do Campus I do Centro Universitário São Camilo – ES, a partir das 18h30, aberto a toda comunidade sem restrição de público.

Data: 28 de outubro de 2014
Hora: 19h
Local: laboratório LAPHIS (Laboratório de Pesquisa Histórico Social), no bloco II da São Camilo no Campus I – Bairro Paraíso

Sua presença será muito importante!

Fonte: Site Oficial da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim


domingo, 26 de outubro de 2014

PAPA NO ÂNGELUS: "O AMOR A DEUS E AO PRÓXIMO SÃO INSEPARÁVEIS E COMPLEMENTARES; DUAS DACES DA MESMA MOEDA"


Cidade do Vaticano (RV) – Ao meio-dia deste domingo, 26, diante de 80 mil fiéis reunidos à sua espera na Praça São Pedro, o Bispo de Roma afirmou que toda a Lei divina se resume no amor a Deus e ao próximo: “O sinal visível com o qual os cristãos testemunham ao mundo o amor de Deus é o amor pelos irmãos”, apontou Francisco. 

O mandamento do amor a Deus e ao próximo não é o primeiro porque está no topo da lista dos mandamentos. Jesus não o coloca no alto, mas no centro, porque é o coração de onde tudo deve começar e retornar; é a referência”. 

Jesus não nos entregou fórmulas ou preceitos, não; ele nos confiou dois rostos, aliás, um só rosto, o de Deus que se reflete em muitos outros, pois no rosto de cada irmão, especialmente o menor, o mais frágil e indefeso, está presente a imagem de Deus”. 
“Ao encontrarmos um destes irmãos, nós deveríamos nos perguntar se somos capazes de avistar nele o rosto de Deus. Somos capazes disso?”, perguntou o Pontífice aos peregrinos, romanos e turistas na Praça.

Respondendo, Francisco disse que “não se pode mais separar a vida religiosa do serviço aos irmãos, aos irmãos que encontramos concretamente; ser santos requer também cuidar das pessoas mais frágeis como o estrangeiro, o órfão, a viúva”. E completou: “o amor é a medida da fé e a fé é a alma do amor”.

Após a reflexão sobre o Evangelho de Mateus, o Papa ressaltou a ‘novidade’ da mensagem de Jesus: “Colocar juntos estes dois mandamentos, o amor a Deus e o amor ao próximo”, revelando que “eles são inseparáveis e complementares; são as duas faces da mesma medalha”, concluiu Francisco, citando um trecho da Encíclica ‘Deus é Amor’, de Bento XVI. 

Francisco rezou a oração mariana do Angelus e concedeu a todos os presentes a sua bênção apostólica. 

PAPA DEFINE IRMÃ ASSUNTA UM 'EXEMPLO DE SERVIÇO DE CARIDADE'


Cidade do Vaticano (RV) – Após rezar a oração mariana do Angelus, na Praça São Pedro, o Papa recordou a beatificação de Madre Assunta Marchetti, celebrada neste sábado, 25, em São Paulo: 

Ela era uma religiosa exemplar no serviço aos órfãos e imigrantes italianos; via Jesus presente nos pobres, nos órfãos, nos doentes, nos migrantes. É a confirmação daquilo que dissemos antes sobre o rosto do irmão. Agradecemos o Senhor por esta mulher, modelo de incansável missionariedade e de corajosa dedicação no serviço da caridade”. 

Depois de cumprimentar os grupos italianos, o Papa dirigiu palavras especiais à comunidade peruana de Roma, que estava na Praça com a imagem do Senhor dos Milagres. Muitos trajavam roupas típicas, de cor roxa. 

Francisco também saudou os peregrinos do Movimento Schoenstatt, que celebraram com ele o centenário de fundação sábado, 25, e disse que de sua janela “via o ícone da Mãe”. 

ORDENAÇÃO PRESBITERAL DE FREI SÉRGIO SAMBL

No sábado, dia 25 de outubro de 2014, sob a imposição das mãos episcopais de Dom Edmar Peron, bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, e da oração da Igreja foi ordenado presbítero o Frei Sérgio Sambl, O.A.R.

Frei Sérgio Sambl, O.A.R. atuou na Paróquia Nossa Senhora da Consolação, em Cachoeiro de Itapemirim, estado do Espírito Santo, e auxiliou, como diácono transitório, os Frei Agostinho Morosini, O.A.R., Frei Enéas Berilli, O.A.R. e Frei João Constantino Junqueira Netto, O.A.R. nos trabalhos pastoris e nas celebrações litúrgicas.

Com muita alegria um grupo de fiéis da Paróquia Nossa Senhora da Consolação, juntamente com o pároco Frei Agostinho, estiveram presente na ordenação presbiteral, que aconteceu na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, na Vila Hamburguesa, cidade de São Paulo (SP).

No domingo, 26 de outubro de 2014, Frei Sérgio Sambl, O.A.R. preside a Eucaristia em dois locais: o primeiro na igreja/matriz de Nossa Senhora de Lourdes e o segundo na Associação de Amigos em Cristo, no Parque São Lucas, na cidade de São Paulo (SP).

Agradecemos as fotos registradas por Lorena Martins e Warley Zucoloto, presentes à ordenação.

Rogamos à Virgem Maria, Mãe da Consolação, que abençoe o ministério sacerdotal de Frei Sérgio Sambl, O.A.R.




sábado, 25 de outubro de 2014

REFLEXÃO PARA O 30º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A


Cidade do Vaticano - (RV) - A primeira leitura deste domingo, tirada do livro do Êxodo, nos anuncia o relacionamento fraterno que deverá reinar entre os homens, fruto da justiça e do amor.

Nas sociedades vizinhas a Israel e, também nas nossas, o pequeno, o derrotado, o fraco, o empobrecido, os sem oportunidades são embrutecidos pelos poderosos, pelos ricos, pelos vitoriosos, pelos que tiveram tudo isso. Deus diz a Israel e também a nós, que nosso modo de proceder em relação ao pequeno não deverá ser assim, pelo contrário. O empobrecido deverá ser ocasião de nossa demonstração de amor a Deus e de abertura para os ditames de seu coração.

No Evangelho de Mateus, mas em um capítulo anterior ao que a liturgia de hoje nos propõe, Jesus repete de forma positiva o que o rabino Hilel ensinou: “O que não te agrada, não o farás a teu próximo! Esta é toda a lei: o restante é comentário”. Jesus disse: “Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o também vós a eles: nisto estão toda a Lei e os Profetas”.

A passagem escolhida para hoje fala que o maior mandamento da Lei é amar o Senhor de todo o coração e com toda alma e todo entendimento e o segundo é amar o próximo como a si mesmo. Na verdade esse mandamento é um só. Amar a Deus sobre todas as coisas é mais do que reservar um tempo para atividades piedosas de oração, é amar com toda intensidade seus filhos, é venerá-lo em cada ser humano, especialmente nos mais pequenos. Ele disse que aquilo que fizermos ao menor de seus irmãos, será a Ele que estamos fazendo.

Portanto não existe outra forma para amar e reverenciar o Senhor do que amar e servir seus filhos queridos, criados à sua própria imagem e semelhança. 

E aí vem a questão dos desafortunados pela sorte. Jesus se fez homem pobre, sofredor, humilhado e, também em seus discursos, se assemelhou a eles. Na celebração do amor, na última ceia, fez o papel de escravo, lavando os pés de seus discípulos.

Morreu em um suplício abominável, humilhado e nu, no meio de dois bandidos, como malfeitor.

O Senhor, quando foi tentado no deserto, rejeitou Satanás com suas pompas e suas obras.

Que nosso batismo seja recordado em cada momento de nossa vida, ao abandonarmos os falsos deuses do egocentrismo, do poder e da soberba, ao assumirmos o serviço de Deus único e verdadeiro no relacionamento fraterno, que nos foi proposto desde o Antigo Testamento.

Adorar e servir o Senhor é amar e servir o próximo!

Fonte: Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2014/10/25/reflex%C3%A3o_para_o_xxx_domingo_do_tempo_comum/bra-832736 do site da Rádio Vaticano 

25/10: SANTO ANTÔNIO DE SANT'ANNA GALVÃO

Conhecido como “o homem da paz e da caridade”, Antônio de Sant’Anna Galvão nasceu no dia 10 de maio de 1739, na cidade de Guaratinguetá (SP).
Filho de Antônio Galvão, português natural da cidade de Faro em Portugal, e de Isabel Leite de Barros, natural da cidade de Pindamonhangaba, em São Paulo. O ambiente familiar era profundamente religioso. Antônio viveu com seus irmãos numa casa grande e rica, pois seus pais gozavam de prestígio social e influência política.
O pai, querendo dar uma formação humana e cultural segundo suas possibilidades econômicas, mandou Antônio, com a idade de 13 anos, à Bahia, a fim de estudar no seminário dos padres jesuítas.
Em 1760, ingressou no noviciado da Província Franciscana da Imaculada Conceição, no Convento de São Boaventura do Macacu, na Capitania do Rio de Janeiro. Foi ordenado sacerdote no dia 11 de julho de 1762, sendo transferido para o Convento de São Francisco em São Paulo.
Em 1774, fundou o Recolhimento de Nossa Senhora da Conceição da Divina Providência, hoje Mosteiro da Imaculada Conceição da Luz, das Irmãs Concepcionistas da Imaculada Conceição.
Cheio do espírito da caridade, não media sacrifícios para aliviar os sofrimentos alheios. Por isso o povo a ele recorria em suas necessidades. A caridade de Frei Galvão brilhou, sobretudo, como fundador do mosteiro da Luz, pelo carinho com que formou as religiosas e pelo que deixou nos estatutos do então recolhimento da Luz. São páginas que tratam da espiritualidade, mas em particular da caridade de como devem ser vivida a vida religiosa e tratadas as pessoas de dentro e de fora do “recolhimento”.
Às 10 horas do dia 23 de dezembro de 1822, no Mosteiro da Luz de São Paulo, havendo recebido todos os sacramentos, adormeceu santamente no Senhor, contando com seus quase 84 anos de idade. Foi sepultado na Capela-Mor da Igreja do Mosteiro da Luz, e sua sepultura ainda hoje continua sendo visitada pelos fiéis.
Sobre a lápide do sepulcro de Frei Galvão está escrito para eterna memória: “Aqui jaz Frei Antônio de Sant’Anna Galvão, ínclito fundador e reitor desta casa religiosa, que tendo sua alma sempre em suas mãos, placidamente faleceu no Senhor no dia 23 de dezembro do ano de 1822″. Sob o olhar de sua Rainha, a Virgem Imaculada, sob a luz que ilumina o tabernáculo, repousa o corpo do escravo de Maria e do Sacerdote de Cristo, a continuar, ainda depois da morte, a residir na casa de sua Senhora ao lado de seu Senhor Sacramentado.
Frei Galvão é o religioso cujo coração é de Deus, mas as mãos e os pés são dos irmãos. Toda a sua pessoa era caridade, delicadeza e bondade: testemunhou a doçura de Deus entre os homens. Era o homem da paz, e como encontramos no Registro dos Religiosos Brasileiros: “O seu nome é em São Paulo, mais que em qualquer outro lugar, ouvido com grande confiança e não uma só vez, de lugares remotos, muitas pessoas o vinham procurar nas suas necessidades”.
O dia 25 de outubro, dia oficial do santo, foi estabelecido, na Liturgia, pelo saudoso Papa João Paulo II, na ocasião da beatificação de Frei Galvão em 1998 em Roma. Com a canonização do primeiro santo que nasceu, viveu e morreu no Brasil, a 11 de maio de 2007, o Papa Bento XVI manteve a data de 25 de outubro.
Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, rogai por nós!
Fonte: Site da Canção Nova

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

ORDENAÇÃO PRESBITERAL DE FREI SÉRGIO SAMBL EM SÃO PAULO

Um grupo de fiéis e paroquianos na Paróquia Nossa Senhora da Consolação irá para São Paulo participar da Ordenação Presbiteral de Frei Sérgio Sambl, O.A.R. que acontecerá no sábado, dia 25 de outubro de 2014, às 18 horas, na igreja/matriz de Nossa Senhora de Lourdes, na Vila Hamburguesa, cidade de São Paulo (SP).

E você é convidado a rezar pelo ministério pastoral de Frei Sérgio Sambl, O.A.R., agora, como presbítero da Santa Igreja.

A Paróquia Nossa Senhora da Consolação, sita em Cachoeiro de Itapemirim (ES), alegra-se com Frei Sérgio Sambl, O.A.R. e todos os seus familiares por esse dia tão festivo e especial para todos nós, que reconhecemos o seu carinho por todos os paroquianos e a dedicação em servir.



SÁBADO, 25/10, BEATIFICAÇÃO DE IRMÃ ASSUNTA MARCHETTI NA CATEDRAL DA SÉ (SP)


São Paulo (RV) - Cerca de 5 mil fiéis vindos de todas as regiões do Brasil e vários países como Itália, EUA, Colômbia, Equador, Filipinas, México, Honduras, Bélgica e África do Sul devem lotar a Catedral da Sé para a beatificação de Madre Assunta Marchetti que acontecerá às 10h do próximo sábado, 25, data de fundação da Congregação das Missionárias de São Carlos Borromeo-Scalabrinianas, da qual Assunta Marchetti foi co-fundadora, em 1895. 

A Celebração Eucarística será presidida pelo arcebispo da Arquidiocese de São Paulo, Dom Odilo Scherer e o rito da beatificação será presidido pelo Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, Cardeal Angelo Amato. 

Outros momentos celebrativos darão continuidade às festividades por dois dias consecutivos como apresentações teatrais, confraternizações e uma missa no Santuário de Aparecida (dia 26, às 9h). No dia 9 de novembro, haverá o lançamento da pedra fundamental de construção de uma Capela que será dedicada à nova beata, na cidade de Mirassol, interior de São Paulo, onde Madre Assunta trabalhou por muito tempo como missionária.

O Cardeal Scherer fala de sua alegria pela beatificação e faz um retrato da religiosa. Ouça clicando acima.

4º DIA DO CURSO DE CAPACITADORES

O quarto dia do curso de capacitadores foi de avaliação, apresentação e participação nas oficinas de oração com Santo Agostinho. As oficinas são um modelo de oração seguindo Santo Agostinho e sua espiritualidade.

A primeira atividade do curso foi a avaliação das oficinas de oração 2014. Frei Alcimar (Franca - SP), Frei Roan (Marajó - PA) e Maria José Guedes (Rio de Janeiro - RJ) partilharam a experiência deles com as oficinas das quais participaram. Todos contribuíram para a avaliação na troca de experiências das realizações e desafios que podem ocorrem na implantação das oficinas. É preciso levas as oficinas para pessoas novas e novos lugares, além daquelas pessoas e daqueles lugares já conhecidos dentro de nossos ministérios.

No período da tarde os presentes ao curso de capacitadores participaram de duas oficinas. A primeira foi conduzida por Frei Alcimar e a segunda por Frei Roan. Frei Alcimar trabalhou a oficina do Pai-Nosso II e Frei Roan trabalhou com a dimensão da volta ao Pai com a parábola do Filho Pródigo.

A Eucaristia foi celebrada em devoção a Santo Ezequiel Moreno, sendo presidida por Frei Nicolás, sendo acompanhado no presbitério pelo Frei Santiago (diácono transitório) e Frei Alessandro.

Após o jantar e antes do terço e meditação das Completas, um momento de música e alegria envolveu a todos os presentes.

Fonte: Site da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos




quinta-feira, 23 de outubro de 2014

3º DIA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO

A reflexão trabalhada no terceiro dia do curso de capacitação foi "O Acompanhamento Espiritual em Santo Agostinho". A capacitação é para pregação de retiros e acompanhamento espiritual com a identidade agostiniana.

Esse dia foi inteiramente dedicado à explanação, reflexão, partilha e uma simulação de como é o acompanhamento espiritual em Santo Agostinho. O curso é uma das várias oportunidades que os agostinianos (frades, freiras e leigos) têm de partilharem a vida comum na alegria e na fraternidade.

Frei Carlos M. Domínguez, diretor do curso, iniciou os estudos e práticas do dia falando das pessoas e situações em que Santo Agostinho foi acompanhado espiritualmente. Ele explicou que o acompanhamento espiritual busca levar a pessoa ao encontro pessoal com o Mestre Interior, Jesus Cristo. 
Acompanhamento espiritual não é confissão, não é direção espiritual, não é aconselhamento psicológico. 
O acompanhante espiritual não é aquele que tem a resposta certa e sim aquele que faz a pergunta precisa. Qualquer pessoa capacitada pode fazer o acompanhamento espiritual: padre, freira, leigo, leiga. É preciso, claro, fazer a preparação espiritual e intelectual. Por isso é que o curso de capacitadores foi criado. Na Ordem dos Agostinianos Recoletos e neste atual formato, é realidade nova e se insere no processo de revitalização e reestruturação da Ordem.
A capacitação visa a formação permanente e os retiros que serão pregados em 2015, que tem por tema "Revitalização e Interioridade".
A Santa Missa nesse dia fez memória a São João Paulo II.

Fonte: Site Oficial da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos




23/10: SÃO GUILHERME, EREMITA E BEATO JOÃO BOM, RELIGIOSO


São Guilherme, chamado também São Guilherme o Grande ou de Malavalle, era natural da França. Depois de uma vida de pecados, converteu-se e entregou-se à vida eremítica, em vários lugares da Toscana. Morreu em Malavalle, perto de Castiglione della Pescaia (Grosseto), no dia 10 de fevereiro de 1157. 

Amou intensamente a contemplação. Seus dois últimos discípulos, seguindo seu espírito, deram origem à Ordem de São Guilherme. Integrada na Ordem Agostiniana na união de 1256, separou-se no ano seguinte, permanecendo na nossa Ordem alguns de seus membros. Nossa Ordem começou a dar-lhe culto, já no século XIII. 

O Beato João Bom tivera também uma vida dissipada e fora jogral da corte. Cumprindo um voto que fizera para pedir a cura de uma enfermidade, retirou-se à soledade eremítica. Sua fama espalhou-se e alguns devotos se uniram a ele. Assim nasceu sua Ordem, em Botriolo (Cesena). Morreu em Mântua a 16 de outubro de 1249, onde seu corpo repousa na igreja ex-agostiniana de Santa Inês. 

Distinguiu-se por seu espírito de penitência, confiança em Deus e amor à Igreja. Sua Ordem passou a formar parte da Agostiniana na união de 1256. Seu culto foi permitido por Sixto IV com a bula «Licet Sedes Apostolica» de 1483. Por esta razão seu nome entrou no Martirológio Romano. Seu ofício foi concedido à Ordem em 1672. 


Fonte: http://www.agustinosrecoletos.com/saints/index#sthash.mkhpbA8i.dpuf

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

2º DIA DO CURSO DE CAPACITADORES

O segundo dia do curso de capacitadores trabalhou o tema dos retiros 2015: Revitalização e Interioridade.

Depois da oração e meditação da manhã e tomado o café da manhã, o diretor do curso, Frei Carlos M. Dominguez, trabalhou na primeira atividade do dia do curso: exame de consciência como capacitador. O momento de capacitação incluiu a visita ao Santíssimo Sacramento.

Neste ano o Curso de Capacitadores, além do Brasil, acontece na Espanha, México e Filipinas e para o ano de 2015 acontecerá na Colômbia.

A Missa votiva em louvor à Santa Mônica foi presidida por Frei Alcimar, concelebrada pelo Frei Rodolfo (recém-ordenado) e pelo diácono Frei Santiago.

Ao término da celebração foi entoado um cântico em louvou à Virgem Maria.

Fonte: Site da Província Santa Rita de Cássia da Ordem dos Agostinianos Recoletos