sábado, 14 de janeiro de 2017

REFLEXÃO PARA 2º DOMINGO DO TEMPO COMUM - MISSÃO E VOCAÇÃO DO CRISTÃO

Cidade do Vaticano (RV) - «Neste domingo a liturgia nos convida a refletirmos sobre nossa vocação.

A leitura do Profeta Isaías fala da vocação do Servo do Senhor, escolhido por Deus desde o seio materno para cumprir uma missão muito importante.

Acontece que, logo no início, vemos que esse servo não é uma pessoa em especial, mas um povo, o Povo de Israel. “Tu és o meu Servo, Israel, em quem serei glorificado.”

Contudo, Israel está em uma situação nada feliz. É um povo exilado, prisioneiro e escravo na Babilônia. Mas é assim que Deus lhe dá uma grande missão, levar a salvação a todos os povos. O Senhor quer servir-se de um povo escravo para protagonizar uma grande missão e manifestar a todos os povos sua glória, isto é, a libertação das pessoas de todo e qualquer tipo de opressão.

Foi Maria, a humilde serva do Senhor, a escolhida para ser a Mãe de Deus. Jesus vem a nós na fragilidade de um recém-nascido e nos comprova, através de sua vida, que a encarnação foi para valer, ele é humano, sua humanidade não é aparente. Ao fazer-se homem, ele também se fez pobre, assumindo a condição social humana de quem nada tem.

Deus quer salvar os homens, não de acordo com os nossos valores, mas segundo o seu coração, tornando-os mais filhos e irmãos, à sua própria imagem e à do seu filho, divinizando-os.

A festa do Natal celebrou essa ação de Deus e Jesus é apresentado como o verdadeiro Servo do Senhor. Sua paixão e morte na cruz ratificarão esse desígnio de Deus, de nos salvar através da entrega amorosa e radical de seu filho. Será através do aparente fracasso e da morte que o Senhor se tornará vitorioso em sua missão.

João Batista percebe tão bem essa missão de Jesus, que o apresenta como o Cordeiro que veio tirar o pecado do mundo. Sabemos, pelo relato do Êxodo, que o cordeiro, para libertar o povo, deverá ser imolado; assim é Jesus, o Cordeiro imolado de Deus. Do mesmo modo que o sangue do cordeiro da páscoa libertava os judeus da escravidão egípcia, o sangue do Cordeiro Jesus nos liberta, através do batismo, da escravidão da morte eterna.

Na segunda-leitura, Paulo fala de sua vocação, do chamado pessoal feito a ele por Deus, para anunciá-lo onde jamais foi conhecido.

Vimos na primeira leitura que a vocação é comunitária, que o Servo representa um grupo. A aspersão do sangue de Jesus, a imersão batismal, nos torna irmãos e filhos, nos faz Igreja, Povo de Deus. Eis nossa vocação. Nossa missão é - em meio a tantos crimes, guerras, ódios, pecados - anunciar a bondade do Senhor que ama, que perdoa, que quer nossa felicidade, custe o que custar, até a morte de seu Filho na cruz, para nossa redenção».

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para o II Domingo do Tempo Comum)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

COMUNIDADE SANTA RITA ACOLHE A IMEGEM PEREGRINA DE NOSSA SENHORA APARECIDA

Comunidade Eclesial de Base "Santa Rita de Cássia", do Bairro Alto Vila Rica, pertencente à Paróquia Nossa Senhora da Consolação convida a você e sua família para prestigiar a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, na igreja dessa comunidade. 


MATRÍCULAS ABERTAS PARA ESCOLA DE TEOLOGIA E PASTORAL "SANTO AGOSTINHO"

Matrículas abertas para nova turma para o ano de 2017.

Venha estudar conosco!



NOMEADO BISPO PARA OEIRAS (PI): DOM EDILSON SOARES NOBRE

Cidade do Vaticano (RV) – Depois de um ano vacante, a Diocese de Oeiras (PI) ganhou um novo bispo na última quarta-feira (11/1/2017). O Papa nomeou o Pe. Edilson Soares Nobre, atualmente Vigário Geral da Arquidiocese de Natal (RN).

Dom Edilson nasceu em 9 de maio de 1965 em Touros (RN). Estudou Filosofia e Teologia no Seminário Maior “São Pedro”, em Natal e Comunicação Social na Pontifícia Universidade Salesiana de Roma. Foi ordenado em 1991.

Desempenha várias atividades na Arquidiocese de Natal: além de ser Vigário Geral, é Pároco da Paróquia de Sant'Ana - Campim Macio; Coordenador Arquidiocesano do Setor de Comunicação; Membro do Colégio de Consultores; Membro do Conselho Episcopal; Membro do Conselho Presbiteral e Membro do Conselho de Assuntos Econômicos.

O município de Oeiras se localiza no centro do estado do Piauí e tem cerca de 37 mil habitantes.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

PAPA ANALISA CONJUNTURA MUNDIAL AO ENCONTRAR EMBAIXADORES

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco recebeu na manhã de segunda-feira (09/01), no Vaticano, os embaixadores junto à Santa Sé para o tradicional encontro no início do novo ano.

A audiência é uma ocasião para o Pontífice fazer uma análise da conjuntura política internacional, tratando dos temas que mais preocupam o cenário global.

Francisco dedicou o seu discurso à segurança e à paz, pois considera que é importante dirigir uma palavra de esperança no clima de geral apreensão pelo presente e de incerteza e angústia pelo futuro.

Violência

O primeiro tópico tratado pelo Papa foi a violência, em especial de matriz religiosa. Ao invés de abrir aos outros, a religião pode ser usada como pretexto de fechamentos, marginalizações e violências. Francisco citou as vítimas do terrorismo nos seguintes países: Afeganistão, Bangladesh, Bélgica, Burkina Faso, Egito, França, Alemanha, Jordânia, Iraque, Nigéria, Paquistão, Estados Unidos, Tunísia e Turquia.

“São gestos vis, que usam as crianças para matar, como na Nigéria; tomam de mira quem reza, como na catedral copta do Cairo, quem viaja ou trabalha como em Bruxelas, quem passeia pelas ruas da cidade, como em Nice e Berlim, ou simplesmente quem festeja a chegada do Ano Novo, como em Istambul.”

O Pontífice faz um apelo a todas as autoridades religiosas para que se mantenham unidas em reiterar que nunca se pode matar em nome de Deus. O terrorismo fundamentalista, afirma, é fruto de uma grave miséria espiritual, que muitas vezes aparece associada a uma notável pobreza social.

Por isso, aos líderes políticos, Francisco pede que evitem as condições que se tornam terreno fértil para a propagação dos fundamentalismos, promovendo políticas sociais para combater a pobreza.

A pobreza, aliás, é o berço das desigualdades. Falando dos encarcerados, o Papa manifesta sua gratidão a chefes de Estado ou de governo que acolheram seu convite a realizar um ato de clemência para com os reclusos. Neste contexto, o Pontífice declara-se convencido de que o Jubileu extraordinário da Misericórdia constituiu uma ocasião favorável para descobrir a incidência da misericórdia como valor social.

Migração

Outro tema abordado por Francisco foi a migração e seus ininterruptos fluxos em diferentes partes do mundo. “Penso de modo particular nos numerosos deslocados e refugiados nalgumas áreas da África, no sudeste asiático e em todos aqueles que fogem das zonas de conflito no Oriente Médio.”

O Papa defende que esta questão deve ser enfrentada com uma abordagem prudente e não com a implementação de políticas de fechamento aos migrantes, avaliando até que ponto cada país é capaz de oferecer uma vida decente aos migrantes, sem lesar o bem comum dos cidadãos. Francisco recorda as viagens realizadas em 2016 em que teve a oportunidade de se encontrar diretamente com migrantes, como na ilha grega de Lesbos.

Já no México, “senti-me solidário com os milhares de migrantes da América Central, que suportam terríveis injustiças e perigos na tentativa de poder ter um futuro melhor, vítimas de extorsão e objeto daquele comércio perverso – horrível forma de escravatura moderna – que é o tráfico das pessoas”.

Crianças e os jovens

Falando do futuro, o Papa considera prioritária a defesa das crianças, protegendo-as da exploração, do trabalho clandestino e escravo, da prostituição ou dos abusos dos adultos.

“Penso nos adolescentes que sofrem as consequências do conflito atroz na Síria, privados das alegrias da infância e da juventude. Eles e todo o querido povo da Síria estão constantemente presentes no meu pensamento”, disse Francisco, fazendo o enésimo apelo à comunidade internacional para que ponha termo definitivamente ao conflito.

Armamentos

O Pontífice denuncia ainda o comércio das armas e a insistência constante de se produzir e disseminar armamentos cada vez mais sofisticados, manifestando preocupação com as experiências realizadas na península coreana.

Outros conflitos que despertam a preocupação do Papa são: Venezuela, “onde as consequências da crise política, social e econômica gravam há muito sobre a população civil”; Oriente Médio, Iraque, Iêmen, Líbia, Sudão e no Sudão do Sul, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Myanmar, Chipre e Ucrânia. Mas também enalteceu esforços de paz, como entre Cuba e os Estados Unidos e também na Colômbia.

Sustentabilidade

“Edificar a paz significa também empenhar-se ativamente no cuidado da criação”, recorda por fim Francisco. Para ele, o Acordo de Paris sobre o clima é um sinal importante do compromisso comum para deixar um mundo habitável para as futuras gerações, pedindo uma cooperação cada vez mais ampla para enfrentar as alterações climáticas. O Papa expressa ainda sua solidariedade às vítimas de fenômenos naturais, como os terremotos que atingiram o Equador, a Itália e a Indonésia.

“A paz é um dom, um desafio e um compromisso”, disse o Papa aos embaixadores, fazendo os seus votos para 2017: “Que possam aumentar entre os nossos países e seus respectivos povos as ocasiões para trabalhar juntos e construir uma paz autêntica”.
Relações diplomáticas

Atualmente, 182 países mantêm relações diplomáticas com a Santa Sé. O último país a integrar este grupo foi a República Islâmica da Mauritânia, que assinou um acordo em dezembro de 2016. O decano do Corpo Diplomático é o angolano Armindo Fernandes do Espírito Santo Vieira, embaixador na Santa Sé desde 2002.

Fonte: Site da Rádio Vaticano

domingo, 8 de janeiro de 2017

ENCONTRO DIOCESANO DA R.C.C. DIOCESE DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM

Vem aí o primeiro Encontro Diocesano da Renovação Carismática Católica do ano. Vamos nos programar para participar! Rogai por nós, Santa Mãe de Deus!


sábado, 7 de janeiro de 2017

DOM CÉLIO ENCAMINHA MENSAGEM DE AGRADECIMENTO E FALA SOBRE SUA RECUPERAÇÃO

Na manhã deste sábado, 7 de janeiro de 2017, Dom Célio de Oliveira Goulart encaminhou uma mensagem sobre esse período de recuperação e tratamento. O bispo de São João del-Rei foi internado no início de dezembro, quando também passou por um procedimento cirúrgico.

Dom Célio se encontra no Hospital Monte Sinai, em Juiz de Fora e passa bem. Veja a mensagem:

“Meus caros amigos , continuo o processo da minha recuperação auxiliado por todos vocês que rezam comigo e por mim. Não sei quanto tempo ainda o processo irá durar. Tenho aprendido muito a ter paciência e acreditar em Deus. Também sou agradecido aos médicos da equipe que cuidam com muito carinho de mim. Os enfermeiros e funcionários do hospital são muito dedicados. Continuo oferecendo a Deus sofrimentos em honra dos sofrimentos de todos que sofrem. Sei que muitos    gostariam de estar comigo pessoalmente, mas é Impossível por causa do próprio tratamento mas acolho com gratidão todas as orações e preocupações comigo. Agradeço também os bispos que puderam estar aqui com uma licença especial. Mas, de modo muito especial, agradeço a Dom Gil, arcebispo de Juiz de Fora. Agradeço ainda aos padres da diocese, aos seminaristas e as minhas irmãs, Maria e Ana Rita, que passam o dia e noite me ajudando. Deus abençoe a todos”. Dom Celio Goulart.

Fonte: Site Oficial da Diocese de São João del-Rei

HORÁRIOS DE MISSA NA IGREJA/MATRIZ DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO PARA O FIM DE SEMANA

A Igreja/Matriz de Nossa Senhora da Consolação comunica os horários das Missas para este final de semana:

Sábado - 7 de janeiro de 2017
6h30 e às 19h

Domingo - 8 de janeiro de 2017
6h30 e às 19h

AVISOS DA IGREJA/MATRIZ DE NOSSA SENHORA DA CONSOLAÇÃO


SOLENIDADE DA EPIFANIA DO SENHOR - A VISITA DOS REIS MAGOS A JESUS

Cidade do Vaticano (RV) - «A Igreja no Brasil celebra, hoje, a Solenidade da Epifania do Senhor. Logo, celebramos a abertura do Reino de Deus para todos os povos, para todos aqueles que possuem sentimentos de paz, que buscam fazer o bem e evitar o mal. Deus acolhe em sua casa todos os homens de boa vontade. É o redimensionamento da História da Salvação, ou melhor, é a plenificação de seus objetivos.


No presépio eram os pastores judeus a adorarem o Menino Jesus, a verem cumpridas as profecias da vinda do Messias, agora, representando toda a Humanidade, temos os Magos adorando o Redentor de todos os homens.

A festa da Epifania mostra a saída dos judeus do protagonismo da Economia da Salvação e tomada de posse do novo povo de Deus, ou seja, de todos aqueles que aceitam o Menino Deus, o Príncipe da Paz, como o Cristo Redentor!

Na primeira leitura, extraída do Livro de Isaías, temos o anúncio da manifestação da glória do Senhor sobre Jerusalém e a consequente vinda para ela dos outros povos, para também serem iluminados pela luz divina.

Como segunda leitura, temos um trecho da Carta de Paulo aos Efésios. Lá ele nos diz que essa glória que ilumina Jerusalém e atrai para ela os demais povos é Jesus Cristo. Através d’Ele todos os povos “são admitidos à mesma herança, são membros do mesmo corpo, são associados à mesma promessa”.

Já no Evangelho São Mateus clarifica, com a vinda dos Magos, a atração dos povos pela luz que ilumina Jerusalém. E ela os conduz à casa da luz, à casa onde habita a Luz do Mundo, Jesus Cristo.

Paradoxalmente, São Mateus fala que os doutores da Lei, aqueles que deveriam possibilitar a Luz iluminar, não querem ser incomodados pela luz e preferem permanecer na escuridão.

Ao contrário, os magos, representando aqueles que não receberam a Revelação, como a receberam os judeus, usaram suas inteligências, cultura, todos os recursos que possuíam e intuíram o nascimento do Messias através do surgimento de uma estrela com um brilho extraordinário, a estrela guia. Por isso passaram a fazer parte do novo Povo de Deus, aceitando os ditames do Menino Deus, da aliança feita por Ele através do derramamento de seu sangue, e vivendo o amor, o perdão, a simplicidade de vida, a generosidade, entre outros valores.

Nas festas de Natal demonstramos nosso poder aquisitivo na compra de presentes e no preparo de uma ceia faustosa, contudo, a comida já foi para um lugar escuso e os presentes começaram a perder o seu valor e poderão ir parar nas mãos de quem não amamos. O tempo corrói! Mas as esmolas que demos, as visitas que fizemos, os moradores de rua que levamos para cear conosco, o tempo gasto com pessoas marginalizadas pela sociedade e também o tempo dedicado à oração foram contabilizados na economia da salvação, se transformaram em bens de eternidade, de acordo com os valores do Grande Rei, o Menino que nasceu no presépio e morreu na cruz, após lavar os pés de seus discípulos.

Como foi o nosso Natal? Como encaramos as exigências da revelação? Se temos dificuldades, peçamos a intercessão da Virgem Maria e de São José para mudarmos o nosso modo de pensar e de agir. Sabemos que o velho e viciado modo de pensar e de agir fala mais alto na hora das decisões. A salvação não virá dos poderosos, nem do dinheiro, nem da sociedade consumista. Será de um coração despojado, fraterno, pobre, que confia em Deus e n’Ele tem sua única riqueza que o Senhor se servirá para fazer o bem.

Como os Magos, desviemos nossa caminhada daquelas pessoas ou situações que nos afastam de Deus, que optam pelo Mal, que preferem o acomodamento à prática do bem.
A Igreja tem a missão de ser farol porque nela está a Luz Verdadeira. Como batizado faço parte da Igreja e a vela acesa que recebi logo após ter sido lavado no sangue de Jesus, me leva a manifestar a misericórdia de Deus a todos o homens, façam já parte da Igreja, ou ainda não.

Tenhamos a coragem de romper com os vícios do passado e vivamos a autenticidade do Evangelho. Permitamos que o Senhor faça sua Epifania através de nós, como a fez através de Teresa de Calcutá e de tantos homens e mulheres de todos os tempos. É preciso coragem! Coragem! Ele venceu o mundo!»

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para a Solenidade da Epifania do Senhor)

Fonte: Site da Rádio Vaticano

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017